Notícias

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





08/2012

Atividade física faz bem para todo mundo. Porque seria diferente para quem tem HIV?

Com essa e outras perguntas, procuramos profissionais de saúde e pessoas que praticam esportes para fazer uma matéria para a próxima Saber Viver. Enquanto a revista não está pronta, veja o que descobrimos pesquisando em sites de notícias.

“Com o que se sabe hoje sobre a doença, eu não teria parado”, diz Magic Johnson.

Atletas e soropositivos

Magic Johnson, considerado um gênio do basquete, diz se arrepender de ter interrompido a carreira ao descobrir que tinha o HIV, em 1991. Com 33 anos, o jogador americano estava no auge. “Com o que se sabe hoje sobre a doença, eu não teria parado”, lamenta.

Outros atletas não deixaram de competir, como o australiano Ji Wallace e o americano Greg Louganis. Os dois são medalhistas olímpicos na categoria salto de trampolim. Wallace estava em Londres assistindo os Jogos Olímpicos e, ao assistir uma entrevista em que Louganis falava sobre o seu tratamento contra o HIV, decidiu revelar sua soropositividade para o portal Star Observer. “Também sou medalhista vivendo com HIV”, disse.

Depois da declaração, Wallace agradeceu as muitas mensagens de apoio recebidas em sua página no Facebook. E afirmou estar orgulhoso de participar da luta contra a discriminação em relação aos soropositivos. “Revelar a minha sorologia é algo importante, se pensarmos que muitas pessoas são diariamente discriminados e/ou intimidados por serem HIV+”, completou.

O esporte pode ser um aliado

“Você começa a viver mais, a ter uma vida saudável, a querer se alimentar bem, a querer fazer as coisas direito. Tudo o que falavam há anos atrás é o oposto. O portador conseguiu provar que exercício físico faz bem”, celebra a soropositiva Márcia Renata Rodrigues.

Está na hora de começar a se mexer! Fale com o profissional de saúde que o atende e inicie uma atividade física. Em pouco tempo, os níveis de colesterol e triglicerídeo melhoram, a distribuição da gordura corporal fica mais equilibrada e o organismo se previne de complicações cardiovasculares.

Recentemente, o Ministério da Saúde publicou um manual de recomendações para a prática de atividades físicas para pessoas vivendo com HIV e aids.  O documento mostra como o exercício físico pode ser um excelente aliado para lidar com os sintomas e as complicações da infecção pelo HIV e seus efeitos colaterais. Dirigido principalmente aos profissionais de educação física e de saúde, o manual visa promoção da saúde ver a melhoria da qualidade de vida e aptidão física das pessoas que vivem com HIV/aids.

Acesse o manual

Fontes pesquisadas: http://hivempauta.wordpress.com e www.aids.gov.br

Compartilhe