Notícias

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





10/2012

“O trabalho intersetorial exige abertura para o novo e capacidade para lidar com parceiros que têm diferentes interesses e referenciais”. Viviane Castello Branco

O desafio da intersetorialidade

O ano de 2011 foi marcado pela realização da Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde, aqui no Rio de Janeiro. Celebramos também os 25 anos da Conferência de Ottawa, primeira conferência internacional de promoção da saúde. É tempo, portanto, de reafirmarmos os valores e concepções que orientam a promoção da saúde: a contribuição dos determinantes culturais, ambientais, econômicos e sociais; o compromisso com a justiça social, a promoção da equidade e do desenvolvimento sustentável; a aposta na participação social.

Essa visão ampliada e multidimensional da saúde traz a necessidade de articulação entre diferentes campos do conhecimento. A Política Nacional de Promoção da Saúde (2006) define o conceito “como um mecanismo de fortalecimento e implantação de uma política transversal, integrada e intersetorial, que faça dialogar as diversas áreas do setor sanitário, os outros setores do governo, o setor privado e não governamental e a sociedade, compondo redes de compromisso e corresponsabilidade quanto à qualidade de vida da população em que todos sejam partícipes na proteção e no cuidado com a vida”.

Não é tarefa fácil. Trabalhar com outros setores coloca em xeque nossos saberes e práticas. Exige abertura para o novo e capacidade para lidar com parceiros que têm diferentes interesses e referenciais. Um desafio que requer criatividade, solidariedade e vontade de mudar.

É o que mostra a recente conquista da comunidade de Jardim Palmares, que ilustra a página 10: uma passarela que promove conexão, integração, movimento e qualidade de vida. Uma experiência que traduz – simbólica e concretamente – a potencialidade da articulação intersetorial.

Esta edição do Circulador apresenta esta e outras iniciativas para incentivar reflexões e inspirar ações. Boa leitura!

Viviane Manso Castello Branco, Coordenadora de Políticas e Ações Intersetoriais da SMSDC-RJ

 

Acesse a revista Circulador nº 5

Compartilhe