Notícias

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





08/2013

Teste do HIV nos exames de rotina: uma das novas estratégias do Ministério da Saúde para tratar e prevenir a Aids

O Ministério da Saúde pretende pedir ao CFM (Conselho Federal de Medicina) que elabore uma recomendação para que todo médico sugira o teste do HIV a seus pacientes com vida sexual ativa. “Aumentaria muito as testagens e, consequentemente, diminuiria as pessoas que têm o HIV, não sabem e continuam transmitindo. Não podemos ter alguém sexualmente ativo sem ter feito o teste”, argumenta Jarbas Barbosa, secretário de vigilância em saúde do Ministério.

A intenção é despertar para a importância do teste, minimizar resistências e alavancar a busca pelos brasileiros que desconhecem ter o HIV. Pelas estimativas do governo, um quarto dos 530 mil infectados no país não sabe que tem o vírus.

Essa solicitação precisa ser oficializada, mas o primeiro contato com o CFM, há alguns meses, foi positivo, segundo Barbosa. O conselho afirmou que vai esperar o pedido formal antes de se manifestar.

Outras iniciativas
O pedido ao CFM se soma a novas estratégias contra a Aids que devem ser desenvolvidas pela recém-empossada gestão do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério. Uma das estratégias, diz Barbosa, será oferecer o tratamento com antirretrovirais a infectados que pertencem a grupos de maior vulnerabilidade, como jovens gays e prostitutas, independentemente do nível de comprometimento imunológico. Hoje o tratamento é ofertado apenas quando exames apontam um determinado comprometimento.

O Ministério também pretende implantar uma avaliação para identificar eventuais dificuldades de acesso ao teste de HIV e atrasos no início do tratamento, explica Barbosa.

Efeito limitado
Para Alexandre Grangeiro, pesquisador da faculdade de medicina da USP, é importante garantir o direito ao teste de HIV para todos. Mas ele avalia que “as estratégias que miram a população geral têm pouquíssimo efeito para a população específica [que concentra a epidemia no país, como profissionais do sexo e jovens gays]”.  Granjeiro acredita que o governo deve adotar uma política mais abrangente na oferta do antirretroviral, que inclua pessoas não infectadas, como forma de prevenção.

Fonte: Folha de São Paulo

gráfico casos de aids no brasil

 

Compartilhe