Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Profissional de Saúde » Saber Viver Profissional de Saúde n.15

12/2008

Produção brasileira de anti-retrovirais

 

No Dia Mundial de Luta contra a Aids, 1° de dezembro, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou que disponibilizará, no primeiro trimestre de 2009, três novas formulações de anti-retrovirais. A combinação zidovudina/ lamivudina/nevirapina em um único comprimido, em versões para adultos e para crianças, e a formulação pediátrica do lamivudina/ zidovudina, também em comprimidos.

“As formulações pediátricas para tratamento da aids são raras e fornecidas na forma de suspensão ou solução. Além da dificuldade no transporte, os produtos líquidos têm maior propensão a apresentar problemas de estabilidade”, diz Eduardo Costa, diretor de Farmanguinhos (Instituto de Tecnologia em Fármacos da Fiocruz). “Estas combinações pediátricas facilitarão o tratamento de crianças, já que atualmente elas recebem os comprimidos para adultos partidos e divididos, o que pode ocasionar variação de dosagem, má absorção pelo organismo e conseqüente prejuízo na adesão ao tratamento”, afirma Costa.

Os medicamentos, totalmente produzidos em Farmanguinhos, foram aprovados nos testes de estabilidade e mostraram-se compatíveis com as formulações originais. “Os comprimidos com combinações de anti-retrovirais facilitam a tomada do medicamento, reduzindo o número de pílulas, o que traz um impacto positivo na adesão”, diz o diretor de Farmanguinhos.

Mais genéricos
Além destes anti-retrovirais, cinco laboratórios brasileiros, entre eles Farmanguinhos, começarão a produzir em 2009, o genérico do efavirenz, que teve o licenciamento compulsório pedido pelo governo brasileiro em 2007. Embora os preços não devam cair muito, uma vez que o efavirenz já é comprado na versão genérica, de um laboratório indiano, o Ministério da Saúde acredita que a produção nacional vai reduzir a dependência externa. Está também na lista de prioridades do governo a produção do genérico do tenofovir, cuja patente deve ser requisitada pela Fiocruz até o final de 2009.

Ampliação do teste rápido
Outra novidade prometida para 2009 é a ampliação do acesso à testagem anti-HIV. O Programa Nacional de DST/Aids anunciou que vai distribuir 3,3 milhões de kits para o teste rápido, o dobro do que foi distribuido em 2008 aos estados. Os testes possuem agora tecnologia 100% nacional, desenvolvida por Biomanguinhos (Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz) e pela Universidade Federal do Espírito Santo. Os kits dispensam a infra-estrutura laboratorial. O resultado sai em 15 minutos e tem eficácia de 99,7%. São precisos 2 exames para confirmar o diagnóstico.

Fiocruz na África
As ações do Brasil também beneficiarão os pacientes que vivem em países de língua portuguesa. A Fiocruz abriu um Escritório de Representação em Moçambique, na África, e vai montar no país uma fábrica de medicamentos para atender a demanda de anti-retrovirais de Moçambique e, futuramente, de outros países do continente africano. “Queremos resgatar uma dívida do povo brasileiro com a África em geral e cumprir o papel social deste governo, de contribuir para a saúde pública dos países de língua portuguesa”, afirma Eduardo Costa, diretor de Farmanguinhos.

Compartilhe