Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.10

06/2001

Homeopatia

Um tratamento energético

Valentim (foto) iniciou a terapia anti-Aids em 98. Desde então, ele, que já tinha bronquite asmática, começou a desenvolver alergias cutâneas, além de ver piorar seu problema respiratório. “Os efeitos colaterais provocados pelos medicamentos anti-retrovirais intensificaram minhas crises alérgicas. Comecei, então, a tomar muitos antialérgicos, que me causavam um perigoso aumento da minha pressão arterial e gastrite. Além disso, ou por causa disso tudo entrei em um estado emocional deplorável”, conta Valentim. Seu médico infectologista lhe sugeriu a homeopatia. Assim que começou o tratamento homeopático, há um ano, Valentim deixou de tomar os antialérgicos. “Hoje não tenho mais crises alérgicas. Meu sistema respiratório está muito melhor e estou tentando controlar minha gastrite”, comemora ele.

As doenças auxiliam o organismo na eliminação das toxinas
A homeopatia encara as doenças exonerativas (doenças que promovem algum tipo de eliminação) como um meio que o organismo encontra para manter seu equilíbrio interno. Espinhas, escamações, dermatite seborréica e gripe, por exemplo, são consideradas formas de eliminar as toxinas que se armazenam no organismo decorrentes da alimentação inadequada, do estresse, do ar e da água poluídos. O tratamento homeopático estimula essa eliminação para que o organismo se purifique e possa restabelecer seu equilíbrio interno. Célia Barollo, médica homeopata e sanitarista, afirma ser muito importante para qualquer pessoa, contaminada pelo HIV ou não, passar periodicamente por esses processos exonerativos: “No caso de quem toma medicamentos anti-Aids, ter uma gripe, por exemplo, é uma forma de eliminar também as toxinas do próprio remédio”, diz ela. Com 15 anos de experiência em atendimento a pessoas portadoras do vírus HIV, Célia tem detectado que a homeopatia diminui bastante os efeitos colaterais provocados pelos medicamentos anti-retrovirais. “Quem ainda não iniciou a terapia anti-Aids, por ter um bom índice de CD4, pode conseguir, com o tratamento homeopático, manter seu sistema imunológico fortalecido e adiar o início da terapia. Em qualquer caso, a homeopatia proporciona ao paciente uma qualidade de vida melhor. O sono e o apetite melhoram e a pessoa se sente mais calma”, diz ela.

Segundo Célia Barollo, não há a menor possibilidade do medicamento homeopático interferir na eficácia dos anti-retrovirais, pois a homeopatia não lida com substância, e sim com energia. Os medicamentos homeopáticos são produzidos a partir da energia extraída de substâncias dos reinos animal, vegetal e mineral e também de produtos patológicos como, por exemplo, células cancerosas ou catarros. “Cada paciente tem o seu medicamento e é ele que vai ajudá-lo a se reequilibrar, de modo que os sintomas da doença vão melhorando”, explica a homeopata.

A homeopatia trata o doente e não doenças
O tratamento homeopático é um processo longo. Célia admite que não é um tratamento fácil: “Tem que haver uma mudança de conduta, de postura de vida. O paciente precisa se observar, fazer relatórios, conversar muito com o médico, falar de seus sentimentos, contar sua história. Só assim é possível prescrever um medicamento que seja o mais adequado para aquela pessoa”.

Ana Maria (foto) optou pelo tratamento homeopático e hoje viver muito bem. Portadora do vírus HIV há pelo menos 14 anos, Ana nunca tomou anti-retrovirais. Mas seu caminho até a homeopatia não foi fácil. No início, Ana não levava o tratamento a sério, pois não confiava na homeopatia e só pensava em morrer. Depois que começou a se informar sobre o assunto, passou a colaborar com o tratamento. “A homeopatia necessita de uma conscientização por parte do paciente. Eu mudei minha forma de conduzir a vida. A pergunta que todo mundo deve se fazer é: Para que você quer ter saúde? Se você tiver um motivo produtivo, você cria uma energia positiva. Isso é saúde”, afirma Ana.

Informe-se sobre atendimento homeopático gratuito

Associação Médica de Homeopatia do Estado do Rio de Janeiro
Tel (21) 527 0306
Associação Paulista de Homeopatia
Tel: (11) 5573 9828
(11) 5579 1291

Compartilhe