Saber Viver Jovem

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Edições Especiais » Saber Viver Jovem » Saber Viver Jovem n.01

01/2004

A importância de uma verdadeira AMIZADE

Uma das coisas mais importantes na vida de qualquer jovem são as amizades. Ter um amigo ou amiga, que seja um verdadeiro parceiro, é muito legal. Ter com quem contar na hora das paqueras, dos problemas e para curtir a vida. Mas todo mundo pensa que a principal regra para construir uma boa amizade é ser sincero.

Quanto mais verdadeira for a relação, mais forte ela pode se transformar. Pois é, mas, quando chega essa hora, a coisa fica mais complicada. Afinal, desde pequenos, a maioria dos jovens infectados pelo HIV sempre escutou em casa que aids é um assunto proibido, que não se podia falar sobre isso com qualquer um. Além disso, rola aquela dúvida: se eu contar para o meu amigo será que ele vai me discriminar por causa do HIV? Imaginar que aquela pessoa que você tanto gosta pode virar as costas e deixar você falando sozinho é uma barra. Mas, nessas horas, é bom lembrar que qualquer um já se decepcionou com amigos um dia. Você pode ter se preparado, mas existe o risco de dar tudo errado também. Que tal perceber, antes de contar, se esse amigo vai conseguir encarar o assunto numa boa? Se você sentir que ele ainda está muito resistente a falar sobre aids, não conte nada. Mas, também, não deixe de ser amigo dele.

Amigos, todo mundo quer ter. Mas não existem regras para construir uma verdadeira relação de amizade. Cada pessoa é diferente uma da outra. E nesse mundo recheado de gente diferente, com certeza, você poderá encontrar amigos bem bacanas (e bem diferentes, é claro!).

Gisele, 12 anos, resolveu contar para a “sua melhor amiga” da escola que estava infectada pelo HIV. Ela tomou esta atitude para tornar a amizade mais verdadeira. Na hora, tudo bem, sem problemas. Mas, no dia seguinte, a amiga resolveu gritar, no meio do pátio, que Gisele era soropositiva. “Na hora, eu fiquei arrasada. As pessoas que estavam por perto começaram a comentar. Nunca mais olhei pra cara dela”.

A decepção que Gisele sentiu é muito comum, mas existem histórias bem diferentes. É o caso de Cristina, 16 anos. Ela resolveu abrir o jogo com uma amiga da escola. Mas, antes, resolveu tomar algumas providências. Primeiro, perguntou a ela como trataria uma amiga infectada pelo HIV. “Com respeito e carinho”, respondeu a amiga. Depois, tudo ficou mais fácil. Hoje, Cristina já conseguiu se abrir com outras três meninas da escola. “Um dia, eu passei mal durante a aula. Uma delas correu na diretora para pedir ajuda. Um detalhe: nenhuma professora ou diretora sabe de nada. Eu conto mesmo é com as minhas verdadeiras amigas”.

CADA AMIGO DE UM JEITO

Amigos podem ser bem diferentes, e ficar rodeado deles torna a vida muito mais divertida e leve. Cada amigo tem uma função na vida da gente. Confira os exemplos:

 Os amigos da escola:
É aquela turma ideal para trocar umas idéias no recreio e para fazer trabalho em grupo. Pode até rolar uma saída nos finais de semana. Pode acontecer também de alguma amizade ficar mais forte, porque todo jovem passa muito tempo dentro da escola.

 Os amigos vizinhos:
Andar de bicicleta, jogar bola, brincar. Essas são apenas algumas coisas que são bem legais para se fazer com um amigo ou uma turma do bairro.

 Os amigos adultos:
Quem disse que adulto não pode ser um grande amigo? Olhe pro lado e comece a perceber que tem gente legal com mais de 25 anos. Ele pode estar no local onde você faz seu tratamento, na família, em algum grupo. Esse amigo pode passar experiências de vida bem legais.

 Os amigos do hospital:
Com essa turma, você pode ajudar muito e ser muito ajudado. Na hora do remédio, na hora da dor de barriga, mas também nas paqueras e na troca de informações, esse grupo de amigos pode ser um bom apoio. Sem contar que, com eles, não rola a paranóia de ser rejeitado por causa do HIV.

UMA AMIZADE DE VERDADE

Eduardo e Aluízio são amigos há quase três anos. Se conheceram em uma reunião do grupo Pela Vidda Rio e não se desgrudaram mais. Aluízio, que é soronegativo, tem um cuidado todo especial com o amigo, que tem sérios problemas de visão. Sabe a hora exata dos remédios e dá altas broncas quando Magu (apelido de Eduardo, lembrando o personagem de desenho Mister Magoo, que é quase cego) esquece de tomar alguma dose. Ah, o apelido Magu foi idéia do Aluízio, tudo com muito astral e bom humor, que é a marca registrada desta grande amizade.

 

UMA BOA AMIZADE VALE A PENA
Se você resolver contar sobre o HIV para algum amigo ou amiga e sentir dificuldade em falar, procure ajuda. Converse com algum profissional do local onde você faz o tratamento. Eles podem te dar umas boas dicas e te preparar para alguma decepção, caso a outra pessoa desista da amizade.

A informação é tudo: É importante que você prepare o seu amigo (ou amiga) antes de contar. Muita gente não tem informação sobre aids e acaba discriminando por desconhecimento. Não desista de seu amigo se ele apresentar alguma resistência de cara. Em alguns casos, vale a pena passar informações e mostrar que, através das relações sociais, não se transmite o HIV. Uma boa amizade sempre vale a pena

DICAS PARA QUEM RESOLVEU ABRIR O JOGO COM O AMIGO
Se você resolveu abrir o jogo com algum amigo, ou amiga, mas está com medo da reação dele, se ligue nas dicas que a psicóloga Camila Alves Peres, do Centro de Referência e Treinamento em DST/aids de São Paulo, reservou pra você. Ela é fera no assunto porque atende jovens há um tempão.

1º Passo
Avalie, friamente, o grau de amizade que você tem com a pessoa. Por exemplo, já foi na casa dela? Conhece a família? Eles gostam de você?
São pessoas bacanas?
Ela já te contou algum segredo?

2º Passo
Experimente contar algum segredo sem muita importância para a amiga (ou amigo) e espere. Veja se ela ou ele consegue guardar segredo.

3º Passo
Teste o conhecimento dessa pessoa sobre aids. Faça umas
perguntas e veja como ela responde. Siga a dica da Cristina (que está no início da matéria). Pergunte como ele ou ela trataria um amigo com HIV ou aids. Aproveite para passar umas informações sobre a epidemia. Que tal passar a revista Saber Viver Jovem para ele ou ela ler?



Compartilhe