Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.07

11/2000

Adesão ao tratamento anti-retroviral

Fundamental na luta contra o HIV

O Brasil é um dos poucos países do mundo que fornecem gratuitamente medicamentos anti-retrovirais para pessoas com HIV/Aids. Isto fez com que o número de internações hospitalares decorrentes de infecções oportunistas diminuísse bastante. Mas o Ministério da Saúde reconhece que fornecer a medicação não garante totalmente o controle do HIV. Sem o empenho de médicos e pacientes para que o tratamento seja seguido rigorosamente, todo o investimento em remédios pode ser desperdiçado. O uso incorreto dos medicamentos torna o vírus resistente e faz com que seu organismo não consiga se defender do HIV.

Portanto, meu amigo, sua atitude é fundamental para o sucesso do seu tratamento. Se você sempre toma todos os seus medicamentos, do modo como foi indicado pelo seu médico, nos horários certos, você está de parabéns: podemos dizer que você tem uma boa adesão ao tratamento anti-Aids. Provavelmente o nível da sua carga viral no sangue será baixo e a contagem de células CD4+ subirá. Assim, o seu organismo estará menos vulnerável às doenças oportunistas causadas pela Aids. Para apoiar sua adesão ao tratamento contra o HIV, estabelecemos uma parceria com a Coordenação de DST/Aids do Ministério da Saúde e listamos, com a colaboração do Dr. Marco Antônio Vitória, assessor técnico da Coordenação, várias estratégias que podem ser adotadas por você.

Para uma boa adesão…
 Manter uma boa relação com seu médico é fundamental. É imprescindível que você confie e compreenda bem o que ele diz. Não tenha vergonha de perguntar tudo o que não ficou bem explicado. Os horários de tomada da medicação devem ser bem pensados e discutidos entre vocês, pois devem ser adaptados ao seu estilo de vida. De nada adianta seu médico lhe indicar um tipo de tratamento que você não consiga seguir. Negocie com ele cada detalhe.

 Mantenha-se sempre bem informado sobre seu tratamento. Peça ao seu médico que explique o significado dos seus exames. Anote suas dúvidas sobre tudo que envolve sua terapia e pergunte durante as consultas. Sabendo bem sobre o que está acontecendo, você fica mais tranqüilo.

 Explique seu esquema terapêutico para alguém em quem você confie. Familiares, parceiros ou amigos podem ajudar você a lembrar da medicação.

 Os remédios anti-Aids devem ser tomados exatamente nos horários prescritos por seu médico. Por isto, uma boa medida é andar sempre com um relógio com alarme, um beeper ou qualquer coisa que o alerte para a hora da tomada do medicamento.

 Pense na sua rotina diária. Tente adequar as tomadas do medicamento às coisas que você faz todos os dias nos mesmos horários: a saída ou a volta para casa, as refeições, o banho, a ginástica, a hora de acordar ou de dormir; etc. Tome o remédio antes da atividade de rotina selecionada. Assim você garante que não vai se esquecer de tomá-lo.
 Nos fins de semana, faça um esforço para manter os horários da medicação, mesmo que sua rotina mude um pouco. Em caso de viagens, o esforço deve ser dobrado. Não esqueça de levar todos os remédios de que vai precisar e mais algumas doses extras.

 Você pode separar os medicamentos de que vai precisar em cada dia da semana e colocá-los em frascos menores, como frascos de filmes fotográficos vazios, por exemplo. Assim fica mais fácil você transportar os remédios de que precisa e garantir que tomou a quantidade necessária.

 Anote os horários da sua medicação. Coloque-os num local visível. Na página 15 você vai encontrar uma tabela que pode ajudá-lo a se organizar. Principalmente no início tudo pode parecer mais difícil, mas com alguma dedicação os remédios vão passar a fazer parte da sua vida, assim como escovar os dentes, tomar banho, etc.

 Seja otimista. Uma atitude positiva perante a vida ajuda muito a superar as dificuldades do tratamento.

 

 

Compartilhe