Saber Viver Profissional de Saúde Adolescência e Aids

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Profissional de Saúde » Saber Viver Edições Especiais » Saber Viver Profissional de Saúde Adolescência e Aids » Saber Viver Profissional de Saúde Adolescência e Aids n.01

02/2003

Adolescentes em conflito com a lei

André de Souza
Educador Social / Presidente da Associação Vida Positiva

Ao trabalhar junto a jovens privados de liberdade, nosso objetivo é impulsioná-los a trilhar um caminho diferente daquele que eles já conhecem – o caminho da criminalidade. Nossa meta é criar oportunidades para que esses jovens percebam que só eles têm o poder de mudar seu projeto de vida.

Atualmente, coordeno o projeto Sensibilização e Conscientização em DST, HIV/aids e Drogas, que há três anos desenvolve oficinas com jovens internos na Febem. Durante as dinâmicas realizadas, pudemos perceber que muitos deles guardam dentro de si uma criança que raramente teve oportunidade de brincar. Diante disso, foi preciso mudar nossa postura como educadores, cuidadores e monitores para que obtivéssemos algum resultado com esse trabalho. Também se tornou evidente, ao trabalhar com esses adolescentes, a necessidade de incluir seus pais e acompanhantes e os funcionários da Febem nas dinâmicas do projeto. Passamos a olhá-los com um olhar diferenciado, não como números, mas individualmente. Cada um tem sua história e sua família, que sofre também pelo preconceito de ter um filho na Febem.

É importante que a sociedade perceba que aqueles adolescentes que vemos, através da TV, em telhados durante as rebeliões, não vivem em uma realidade que não nos diz respeito. Eles poderiam ser um membro da nossa família ou comunidade que, por algum momento, não foi assistido de forma correta, por nós ou pelo governo. Precisamos urgentemente de políticas públicas específicas para estes jovens. Desde a prevenção contra DST/aids, devido à vulnerabilidade em que vivem dentro das unidades de detenção, até subsídios para sua liberdade.

É preciso acreditar que o futuro vai ser melhor e ter consciência de que a chance de mudar a nossa história que está em nossas próprias mãos.

Como funcionam as oficinas
Durante a semana, os adolescentes e funcionários são divididos em três turmas de oficinas. Pais e acompanhantes participam nos finais de semana, aproveitando o dia de visitas, para não sobrecarregar financeiramente pessoas já tão sofridas e com dificuldade de obter o dinheiro da passagem, muitas do interior de SP.

No primeiro ano do projeto, realizamos o vídeo “A Escolha”. Vídeo pioneiro, onde o adolescente constrói desde a história até o trabalho de ator.

No segundo ano do projeto, foi feito o vídeo “Adolescência Interrompida”. Este projeto foi um pouco mais complexo devido à situação atual da Febem. O vídeo, na verdade, se transformou em um pequeno documentário, com a participação dos adolescentes.

Compartilhe