Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.15

04/2002

Aids como se pega e como não se pega

Quando uma pessoa é contaminada pelo vírus da Aids, diversos fantasmas passam por sua cabeça. Um deles, o medo de contaminar os outros. No entanto, o HIV não é um vírus que se transmite facilmente. Doar sangue, amamentar, fazer sexo sem proteção e compartilhar agulhas e seringas com outras pessoas são atitudes de alto risco para a transmissão do HIV. Mas ações cotidianas como beber no mesmo copo, usar o mesmo banheiro, beijar, abraçar, entre outras, não oferecem o menor perigo. Para esclarecerem as dúvidas mais freqüentes, convidamos os infectologistas Estevão Portela e Márcia Rachid. Estar bem informado sobre os modos de contaminação do HIV é essencial para que você se sinta seguro e passe segurança para as pessoas com quem você se relaciona.

Estevão Portela: O beijo nunca foi estabelecido como forma de infecção pelo HIV. O que pode preocupar são sangramentos que a pessoa soropositiva por ventura tiver na gengiva. Feridas secas não conseguem transmitir o vírus.

Márcia Rachid: A quantidade de HIV na saliva é muito pequena e, além disso, nela existem várias enzimas que protegem a boca de uma possível contaminação. Só há perigo de contaminação pelo HIV caso as duas pessoas tenham péssimas condições de higiene oral e sangramentos constantes na boca. Uma pessoa que tem cuidados básicos com sua boca e costuma ir ao dentista não tem como transmitir o HIV através do beijo.

Qual o risco de se contaminar no vaso sanitário?
EP: Essa preocupação não deve existir. É muito mais fácil se contaminar por várias outras doenças em um banheiro sujo do que pelo vírus da Aids.

Qual o risco no dentista? E na acupuntura?
MR: Todos os procedimentos de esterilização normalmente feitos num consultório dentário ou em um médico acupunturista são suficientes para eliminar o HIV.

Quais os cuidados a serem tomados na manicure? 
MR: A estufa que há nos salões é eficaz para eliminar o HIV. A simples lavagem com água e sabão já funciona.

Qual o perigo de se praticar sexo oral com uma pessoa contaminada pelo HIV?
EP: No sexo oral, a pessoa ativa não transmite o HIV porque não é possível transmiti-lo através da saliva. Já quem recebe a ejaculação de uma pessoa soropositiva na boca corre o sério risco de se contaminar. A secreção que sai do pênis antes da ejaculação, por ser em pouca quantidade e conter um número menor de vírus, dificilmente é capaz de contaminar alguém.

O ideal é usar o preservativo também durante o sexo oral. Caso contrário, não se estenda por muito tempo nesta prática. Use-a apenas como preliminar. Desse modo, o risco de contaminação torna-se menor.

MR: Quando a mulher soropositiva recebe o sexo oral, a probabilidade do parceiro ser contaminado é menor, pois a secreção feminina apresenta menos quantidade de vírus do que a ejaculação masculina. No entanto, durante ou próximo ao período menstrual, deve-se evitar essa prática, pois o risco aumenta muito.

O problema maior para quem pratica o sexo oral é pegar outras doenças venéreas, como sífilis, gonorréia ou herpes. Se houver feridas no pênis, o risco de transmitir o HIV é maior. Praticar sexo oral implica correr algum risco, mas você diminui esse risco se evitar a ejaculação na boca, contato com feridas no pênis ou na vagina e contato durante ou próximo ao período menstrual.

O sangue contaminado pelo HIV entra em contato com outra pessoa. Qual o perigo nesse caso?
EP: É muito pouco provável que aconteça o contágio em uma situação como essa. Se a pele da pessoa que não é soropositiva estiver íntegra, ela funciona como uma barreira eficaz contra o HIV.

Mas entrar em contato com o sangue de outra pessoa nunca é bom, soropositiva ou não. A possibilidade de contrair outras doenças, como Hepatite, por exemplo, é muito maior. Existem diversos tipos de microorganismos presentes na corrente sanguínea que são transmissíveis pelo sangue.

MR: As pessoas fantasiam muito com as formas de contaminação. Ninguém se contamina por encostar-se em sangue com HIV. O vírus da Aids precisa entrar na corrente sanguínea para contaminar alguém. Ou seja, para haver contaminação seria necessária uma grande quantidade de sangue caindo exatamente em cima de um corte profundo.

Quanto maior a carga viral no sangue, maior o risco de se transmitir o HIV?
EP: Sim. Quem tem mais vírus pode transmiti-lo com mais facilidade. Isso não quer dizer que quem tem carga viral baixa ou indetectável não transmite o HIV, quer dizer que a probabilidade é menor.

Compartilhe