Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.50

05/2013

Atividade Física – Benefícios para o corpo e a alma

BicicletaQuem tem uma vida ativa já sabe: saúde física e saúde mental estão interligadas. Por isso, a atividade física é tão importante pra quem vive com HIV/aids. “A prática regular de exercícios físicos pode contribuir como uma terapia adjunta ao tratamento médico, nutricional e psicológico, minimizando alguns efeitos causados tanto pelos antirretrovirais quanto pela própria infecção,” explica Lorena Paes, professora de educação física e colaboradora do Laboratório de Atividade Física e Promoção da Saúde da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (LABSAU/ UERJ).

A professora atua no projeto VIDA+, que atende gratuitamente pessoas soropositivas de todo o estado, oferecendo sessões de treino – que englobam exercícios aeróbios, musculação e alongamento – sob a supervisão de professores e graduandos do curso de Educação Física da universidade. Atualmente, cerca de 40 alunos fazem aulas em uma bem equipada academia, de manhã ou à tarde, às segundas, quartas e sextas feiras. João* conheceu o projeto quando recebeu indicação médica para se exercitar. Ele precisava controlar o aumento da taxa de triglicerídeos na corrente sanguínea, efeito colateral dos antirretrovirais.

João conseguiu reduzir a taxa e continua indo até hoje à academia da UERJ. “Nunca frequentei outra academia. Embora sempre tivesse essa vontade, meu complexo e vergonha nunca deixaram. Frequentar um ambiente reservado a pessoas que estão em uma mesma situação é uma oportunidade de se exercitar sem a discriminação que talvez pudéssemos sofrer em uma academia aberta. Daí a importância de projetos como o VIDA+,” acredita ele.

cartilhaConquistas positivas
A cartilha Recomendações para a Prática de Atividades Físicas para Pessoas Vivendo com HIV e Aids foi lançada recentemente pelo Ministério da Saúde, para estimular a prática de exercícios em todo país. O documento mostra como o exercício físico pode ser um excelente aliado para lidar com os sintomas e as complicações da infecção pelo HIV e os efeitos colaterais dos medicamentos. Entre os possíveis benefícios estão: aumento da força e massa magra, redução de triglicerídeos, melhora do perfil lipídico e do quadro de resistência insulínica, entre outros.

Mesmo com tantos benefícios físicos, não se deve menosprezar conquistas de outra ordem. Para a professora Lorena Paes, entre os maiores ganhos que a atividade física pode trazer estão “aumento da autoestima, melhor aceitação da imagem corporal e melhora em quadros de depressão e ansiedade, devido à produção de alguns hormônios durante a prática do exercício que trazem a sensação de bem-estar”. Justamente por isso, João não abre mão desse hábito saudável e frequenta o projeto Vida+ praticamente desde sua criação, em 2005.

Compartilhe