Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.43

10/2008

Chás podem comprometer tratamento

Estratégia popularmente utilizada para a prevenção e o tratamento de diversas doenças, o consumo de chás pode comprometer a eficácia da terapia antiretroviral. A interação entre compostos naturais encontrados nestas bebidas e os princípios ativos das drogas anti-aids podem aumentar a ocorrência de efeitos adversos e até inibir a ação dos remédios. Por isso, pacientes em tratamento antiretroviral devem estar atentos à combinação dos medicamentos com outras substâncias e consultar sempre o médico.

“Plantas aparentemente inofensivas podem ser perigosas, sobretudo se consumidas em associação à terapia antiretroviral, que costuma provocar efeitos colaterais. Além disso, como geralmente são comercializados sem fiscalização, os produtos preparados a partir de substâncias naturais, como xaropes ou garrafadas, podem estar contaminados por fungos, bactérias e metais pesados, como chumbo e mercúrio”, alerta a farmacêutica Paloma Michelle de Sales, que durante o mestrado desenvolvido na Universidade de Brasília (UnB) investigou como o uso de plantas medicinais por pacientes soropositivos pode influenciar o tratamento da aids.

Entre as 53 plantas consumidas pelos pacientes e investigadas cientificamente por Paloma, 33 – o equivalente a 62% – mostraram que podem comprometer a eficácia do tratamento.

 

Atenção também às cápsulas de alho
A mesma dinâmica é estabelecida para o consumo de cápsulas de alho, utilizadas para o controle do colesterol. “Estudos clínicos demonstram que este produto pode reduzir em até 50% o efeito terapêutico do saquinavir, um inibidor de protease”, informa Paloma. A erva-mate, por sua vez, pode promover a excitabilidade do Sistema Nervoso Central e intensificar a produção da secreção gástrica, aumentando a acidez estomacal – desconforto comum entre pacientes em terapia anti-retroviral.

 

Compartilhe