Circulador

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Circulador » Circulador n.01

11/2004

Circulando idéias e intenções

“Fiquei uma semana com aquela coceira, lavava toda hora, jogava álcool… porra, maluco, a maior loucura (…), tinha tipo um bagulho branco no pênis…tomava banho, lavava, botava álcool e mercúrio com iodo, (…) queimava pra caramba… não fui nem no hospital. Nem falei com a minha mãe, minha mãe fala pra caramba. Curei assim mesmo: com mercúrio, álcool e iodo” Jovem da Maré.

Um depoimento como este nos traz alguns desafios: como contribuir para que os jovens se conscientizem dos riscos, se previnam e se cuidem de forma adequada? Como organizar os serviços de saúde para que ofereçam um atendimento mais adequado às suas necessidades? Como mobilizar a comunidade e a família para apoiarem os jovens?
Não é simples, mas é possível. Nesta publicação buscamos selecionar algumas experiências da Secretaria Municipal de Saúde da cidade do Rio de Janeiro (SMS-RJ) e de seus parceiros, que vêm contribuindo para a promoção da saúde e para a qualificação dos serviços. Essas iniciativas têm alguns aspectos em comum: a disponibilidade dos profissionais, a aposta na potencialidade dos jovens, o reforço de sua identidade e autonomia e a construção de parcerias que favoreçam a inclusão social.
Merece destaque o investimento no protagonismo, uma estratégia que busca incentivar os jovens a se tornarem sujeitos da trans-formação construtiva da realidade. A participação ativa desse grupo no planejamento, realização e avaliação das ações contribui para sua eficácia e impacto. Os jovens promotores de saúde do Adolescentro da Maré, por exemplo, batizaram a sala de espera do posto onde eles acolhem os adolescentes, de “sala de chegança”, afinal de contas, quem é que gosta de ficar esperando? Os clientes são inscritos como “só-cios”, demonstrando um compromisso com o cuidado, mas também com o prazer. Inovações como essas precisam ser incorporadas pelas unidades de saúde.
Essa visão do adolescente e do jovem como indivíduos capazes de realizar atividades de relevância social contribui para o fortalecimento da sua auto-estima, repercutindo na sua saúde, nos seus relacionamentos e nos seus projetos de vida. Precisamos apostar cada vez mais nessa estratégia para promovermos saúde através de serviços de melhor qualidade.
Viviane Manso Castello Branco
Gerente do Programa de Saúde do Adolescente
da Secretaria Municipal de Saúde/RJ

Seminário discute DST/Aids sob a ótica da Juventude

Cerca de 300 participantes marcaram presença no Seminário Juventude: Potencialidades e Possibilidade de Enfrentamento às DST/Aids, em 28 de junho, no auditório do Senac na Tijuca.
O evento foi promovido pelo Programa Municipal de Saúde do Adolescente (Prosad) em parceria com o Programa Municipal de DST/Aids do Rio de Janeiro.
Um dos fatos marcantes deste seminário foi a presença maciça de jovens, inclusive compondo a mesa de debates, a maioria integrantes do projeto Adolescentro da comunidade da Maré (conheça esta iniciativa nas páginas 6 e 7).
Para Viviane Castello Branco, gerente do Prosad, este evento significou uma importante oportunidade de refletir com os jovens sobre estratégias inovadoras de promoção de saúde e prevenção das DST/Aids, com ênfase na diversidade e no respeito às singularidades de diferentes grupos.

 

Compartilhe