Circulador

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Circulador » Circulador n.04

12/2009

Colecionando Saúde

Atitudes positivas em forma de cartão postal

Arte, ousadia, bom humor. Esta foi a estratégia da Assessoria de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ) ao criar, em 2007, 17 cartões postais para abordar temas de saúde. Participação da família na escola, diversidade religiosa, prevenção da violência e paternidade são alguns conceitos trabalhados pelos postais, inicialmente distribuídos em unidades de saúde, eventos e ações educativas.
Com o tempo, os cartões conquistaram novos parceiros e transformaram-se em camisetas, sacolas, móbiles, esquetes, vinhetas para rádio e TV. “A proposta é despertar o desejo e motivar as pessoas a refletir sobre práticas saudáveis”, explica a idealizadora da proposta, Viviane Castello Branco, coordenadora de Políticas e Ações Intersetoriais da SMSDC-RJ.
Viviane conta que a inspiração surgiu ao observar a atração das pessoas por estantes de postais em cinemas e restaurantes. A enfermeira Monique Miranda, da Coordenação de Educação e Saúde da SMSDC-RJ, que coordenou o processo participativo de elaboração dos postais, destaca a transversalidade dos temas: “Buscamos traduzir valores fundamentais para a promoção da saúde, como solidariedade, autonomia e diversidade”, Monique descreve, ressaltando que a produção dos postais foi um exercício de intersetorialidade, possível a partir da integração da equipe da Promoção da Saúde com parceiros e usuários do SUS. Os temas eleitos foram traduzidos em arte pela programadora visual Renata Ratto e pela ilustradora Mariana Massarani.

Os postais no cotidiano dos serviços de saúde
Nas visitas às famílias, os agentes comunitários da CAP 2.2 passaram a distribuir os postais, direcionando os que abordam a violência aos moradores com histórico de agressão. Como resultado, muitas pessoas sentiram-se mais à vontade para tocar no assunto nas consultas individuais. “Os postais funcionaram como uma desculpa colorida para discutir um tema tão importante e delicado”, considera Elani Maria Rodrigues, supervisora do Programa de Saúde da Família A montagem de esquetes teatrais a partir do postal de diversidade sexual rendeu à Companhia de Teatro Asa Delta, do Adolescentro Paulo Freire, o Prêmio Cultura & Saúde 2008. O trabalho fez tanto sucesso que acumulou um público de 4 mil espectadores.

"Materiais alternativos são importantes para discutir assuntos geralmente tratados de forma velada, como a diversidade sexual e a violência contra a mulher". Vicente Pereira Júnior , professor de teatro do Adolescentro Paulo Freire

Compartilhe