Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Solução » Solução n.17

02/2007

Comprometidos com o bem-estar do paciente

Ambulatório de DST/Aids de Maringá, incluindo a farmácia exclusiva
para atender pessoas com HIV, inaugura 
novas instalações


OServiço de Assistência Especializada em HIV/Aids e outras DST do município de Maringá (PR) acaba de ganhar novas instalações. A farmácia do serviço, criada há 10 anos para atender exclusivamente a pacientes vivendo com HIV/aids, também está de “casa nova”. O local é responsável pelo atendimento a 1.100 pessoas, das quais, 623 fazem tratamento com anti-retrovirais. A farmacêutica bioquímica, Marilda Satiko Obara, é a responsável pela farmácia desde 2003.
Ela coordena uma equipe formada por um auxiliar de enfermagem, que atua na orientação de pós-consulta, e dois auxiliares de enfermagem de apoio.

Qual é a principal característica do atendimento desta farmácia?
É o atendimento e a orientação individualizados.
Através dessas ferramentas, conseguimos verificar as dificuldades de cada paciente na adesão ao tratamento. Para nós, um trabalho de adesão só pode ser eficaz se entendermos as dificuldades de cada pessoa. Através da nossa organização e controle da dispensação, obtemos informações sobre pacientes que não retiraram a medicação. Quando identificamos algum caso, vamos atrás desse paciente em outros setores do serviço e intensificamos a atenção a ele. Realizamos também uma verificação constante do cruzamento de dados entre o Siclom e a Vigilância Epidemiológica para checar se todos os pacientes que começaram o tratamento já foram notificados.

Então, esse monitoramento é a principal estratégia do local?

Junto com o estreito relacionamento com a equipe multidisciplinar (infectologistas, enfermeiras, auxiliares de enfermagem, psicóloga, assistente social, ginecologistas e odontólogo) na troca de impressões e dificuldades.
Criamos a busca ativa de pacientes faltosos. Ou seja, comunicamos ao serviço social quais pacientes atrasaram para pegar a medicação. O setor tenta contato, primeiro, por telefone ou telegrama e depois, se for necessário, as assistentes sociais ou psicólogas visitam o paciente. Além disso, temos grupos de adesão e de auto-ajuda.

Na sua opinião, o atendimento ideal a pessoas soropositivos nas farmácias se resume a…
“Comprometimento” da equipe. Somente assim conseguimos um bom funcionamento da farmácia.

Vocês estão de casa nova, uma grande conquista.
Sem dúvidas, ter estrutura física adequada, com uma farmácia exclusiva para
atendimento a pacientes com HIV equipada com computadores, fone-fax e impressoras é muito bom. Mas ter uma equipe capacitada e comprometida com o atendimento é o principal para uma farmácia prestar um bom atendimento. E isso, nós temos. Mesmo antes da nova estrutura, sempre nos esforçamos para atender muito bem os usuários do serviço.
Ou seja, a falta de condições perfeitas não deve impedir que haja comprometimento no atendimento. Sentimos a nossa gratificação quando constatamos a melhora do quadro clínico do paciente e, conseqüentemente, a melhora na sua qualidade de vida. Isso traz muita motivação para toda a equipe.

PARA FAZER CONTATO:
marildaobara@maringa.pr.gov.br

Compartilhe