Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.15

04/2002

Ganhando uma nova vida / Mais forte e disposta

Ganhando uma nova vida
“Quando descobri ser portadora do HIV, em abril de 2000, estava presa sob regime fechado, condenada há seis anos. Fiquei atordoada, pois estava passando por um grande sofrimento e descobrindo outro. Mas a coordenação de saúde do sistema me orientou e eu não me deixei abater. Em 2001, ganhei o regime semiaberto e agora estou em liberdade. Procurei orientação no Caaids, que é um projeto excelente. Já recebo as orientações necessárias para conviver com o HIV. Ainda não tenho necessidade de tomar os anti-retrovirais, mas venho me preparando para, quando houver necessidade, eu saber como fazê-lo.

Quero agradecer a Deus, por ter me dado força para conviver com tanto sofrimento, aos médicos do sistema e à coordenação de saúde. Deixo um recado para todos: caros amigos, vocês querem ser felizes? Pensem e falem somente de felicidade. Gostaria de ampliar meus conhecimentos sobre HIV e meu círculo de amizades.Estou me socializando. Quero curtir a minha liberdade agora como se tivesse ganhado uma nova vida. Escrevam para mim.”

Janaina Glória Paranhos – Rua Eva Resende, 18. Jockey – São Gonçalo-RJ. Cep 24.743-200.

Mais forte e disposta

“No começo foi muito difícil, porque descobri que tinha HIV quando minha filha de um ano ficou doente. Quando foi confirmado o HIV, ela já estava muito debilitada e dois meses depois, faleceu. Fiquei muito perturbada. Queria morrer junto com ela. Tenho outra filha que, na época, tinha seis anos. Ela também fez os exames. Quando confirmaram que ela era soronegativa, eu vi uma luz no fim do túnel. Levantei a cabeça, resolvi fazer terapia com uma excelente psiquiatra e hoje sou outra pessoa. Cheia de vida, com muita experiência para passar a quem precisa. Sou considerada pela minha família como um exemplo de vida. As poucas pessoas que sabem do HIV ficam pasmas e vivem falando que nem parece que eu tenho HIV. Dizem que eu sou mais forte e disposta do que algumas pessoas que não têm nada. Espero que o meu exemplo ajude outras pessoas que precisam. Não se deixem abater.”

V. A . Luiz – Votorantim-SP

Compartilhe