Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.09

04/2001

Aprender a viver / Vida positiva

Aprender a viver

“Meu nome é André Anastácio. Sou do signo de gêmeos e tenho 23 anos. Em 1999, fui internado com o diagnóstico de meningite. Depois disso, fiz vários exames, inclusive o de HIV, que por infelicidade deu positivo. Quando eu soube do resultado, não sabia se chorava, se ria ou se fugia daquele momento estranho, daquele sentimento de culpa que mudaria a minha vida completamente. Enfim, chegou a hora de contar para os meus pais e eles, com lágrimas nos olhos e se sentindo culpados pelo o que estava acontecendo comigo, me abraçaram e disseram: “Você é nosso filho. Apesar de tudo, nós lhe amamos muito”. Esse amor que tenho dentro do meu coração é que me faz vencer as barreiras da vida, como as doenças oportunistas. Apesar dos pesares, sou um ser humano que tem muita vontade de viver e de ser feliz, como tenho sido.

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena!”

André Anastácio

Vivo + que positHIVo

“Tenho 34 anos e descobri que sou HIV+ há 5 anos através de minha filha que, com um ano e 8 meses, começou a ter os primeiros sintomas da Aids. Foi inevitável que os pediatras pedissem o teste de HIV e o diagnóstico, naquele momento, foi o pior possível, pois eu estava grávida novamente de 4 meses. Fiz também o exame e entrei em choque. Por outro lado, agradeci a Deus pelo resultado, pois se minha filha era soropositiva, eu também tinha que ser, gesto que só as mães podem entender.

Tivemos várias lutas, mas todas foram vencidas. O meu casamento, que na época já estava bastante desgastado, terminou. Mas, através de um grupo de auto-ajuda, conheci uma pessoa totalmente diferente e descobri que posso ser muito feliz. Nos apoiamos em todos os momentos e nem lembramos que o HIV foi motivo, um dia, de mágoa, decepção e tristeza. Hoje eu posso dizer que graças ao HIV eu encontrei novamente a felicidade.
Ah! Minha filha está com 7 anos e está super bem de saúde. A que nasceu depois é soronegativa.
Um forte abraço a todos. Pensem + que positHIVo, pois já conquistamos muitas vitórias nesses anos todos”.

Rosângela Mª C. Corrêa

Compartilhe