Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.08

02/2001

Dando a volta por cima

Olá pessoal, espero que a minha história possa ajudar alguém. Há cinco anos, eu estava noiva e gostava fielmente do meu companheiro, mas ele sempre fugia muito do nosso compromisso, adiando o casamento. Um dia, ele voltou de viagem dizendo que queria se casar em um mês. Não entendi aquela mudança e lhe pedi um tempo. Ele viajou novamente a trabalho e nunca mais voltou. Depois de muito tempo de espera, criei coragem e liguei para a família dele (eles não gostavam de mim por eu ser pobre). Então, eu recebi a notícia mais triste da minha vida: ele havia morrido. Foram quatro anos de muita tristeza e solidão. Em nenhum momento eu soube a causa da morte dele.

Procurei, então, me ocupar unicamente com o trabalho e muitas vezes esquecia que tinha apenas 21 anos. Os rapazes procuravam se aproximar de mim, mas eu me afastava.

Quando eu tinha 25 anos (de 1998 para 1999), comecei a ter problemas de saúde. Depois de me decepcionar com uma amiga, apareceu uma irritação na minha pele: era herpes. Uma médica me pediu o exame anti-HIV. Eu estava certa de que daria negativo, afinal tive poucos namorados. Em fevereiro de 1999, recebi o resultado positivo. Minha vida mudou totalmente. Fiquei perdida, mas a minha fé em Deus me deu forças para iniciar o tratamento.

Somente depois disso, eu compreendi porque o meu noivo queria se casar às pressas. Ele soube que era soropositivo e que, provavelmente, havia me contaminado. Ele achava que, se casando comigo, poderia me deixar amparada no futuro.

Pensei em entrar para um convento. Achei que nunca mais me envolveria com ninguém. Até que, num domingo, eu estava na igreja quando me disseram que um rapaz queria falar comigo. Foi uma surpresa! Encontrei com o meu primeiro namorado. Não nos víamos há 10 anos. Choramos juntos de emoção e resolvemos retomar o nosso relacionamento. Reuni todas as minhas forças e contei a ele sobre a minha soropositividade. Ele sumiu por um dia. No dia seguinte, disse que estava disposto a enfrentar tudo comigo. Nos casamos dois meses depois e estamos vivendo muito felizes.

Sei que muitas pessoas que estão na mesma situação têm dificuldades de encontrar a pessoa ideal. Mas não desistam. Na hora certa esta pessoa aparecerá. Confiem em Deus. Tenho certeza de que em breve teremos a cura da Aids.

Um abraço da amiga de vocês,
Simone”

Compartilhe