Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Solução » Solução n.14

08/2006

De olho na dispensação

Estudo detalhado avalia a dispensação de medicamentos para os portadores de HIV/Aids

 

Apedido do Programa Nacional de DST/Aids, o Núcleo de Assistência Farmacêutica da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP –Fiocruz) realizou a “Avaliação Nacional da Dispensação de Medicamentos para Pessoas Vivendo com HIV/Aids”. A pesquisa contemplou tanto a dispensação de antiretrovirais quanto a de medicamentos para infecções oportunistas. “O objetivo foi medir a magnitude dos problemas para, depois, ver como intervir”, explica a farmacêutica Vera Lúcia Luzia, uma das coordenadoras do projeto. Doutora em Saúde Pública e pesquisadora do Núcleo, Vera conta que as 29 unidades pesquisadas foram escolhidas por sorteio, respeitada a distribuição por dez estados brasileiros – Alagoas, Amazonas, Goiás, Mato Grosso, Paraíba, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. A qualidade do serviço, a adesão ao tratamento e a satisfação dos usuários com o atendimento prestado foram avaliadas através da observação e da aplicação de questionários.

Novas capacitações
O chefe da Unidade de Assistência e Tratamento (UAT) do PNDST/Aids, Orival Silveira, destaca que a maioria dos usuários e profissionais envolvidos mostrou-se satisfeita. Ele comenta que, por outro lado, algumas unidades precisam melhorar as condições de armazenamento de medicamentos e de informação aos pacientes: “O controle de estoque pode melhorar e o Siclom (Sistema de Controle Logístico de Medicamentos) precisa funcionar plenamente”, avalia.
Ele anuncia que estão previstas, para o próximo trimestre, capacitações para os profissionais das unidades dispensadoras. Nelas, serão apresentados os dados da pesquisa, além de noções de logística e armazenamento. Também será dado destaque ao tema da adesão dos pacientes ao tratamento. “Ainda não se percebeu a importância que pode ter a unidade dispensadora nas questões relacionadas à adesão”, alerta Silveira.

SAIBA +

http://www.fiocruz.br/ccs/novidades/set05/medicamentos_cat.htm

Algumas conclusões da pesquisa


Pontos positivos

– Alta disponibilidade de itens e baixo tempo médio de desabastecimento
– Algumas unidades (31%) contam com procedimentos escritos atualizados para dispensação
– Não foram encontrados medicamentos vencidos nas unidades dispensadoras visitadas
– A maioria dos usuários sabia como usar o medicamento
– As unidades com ambiente de privacidade conseguem orientar maior proporção de usuários

Pontos negativos
– 66% das unidades não oferecem privacidade no atendimento
– Alta proporção de prescrições incompletas – 50,8%
– Falta de medicamentos para infecções oportunistas
– A maioria das unidades não dispõe de fonte válida de informações sobre medicamentos (66%) ou de material educativo para os usuários (72%)
– Muitas vezes há dificuldade de acesso à unidade e demora no atendimento

 


Compartilhe