Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Profissional de Saúde » Saber Viver Profissional de Saúde n.19

06/2010

Desabastecimento provoca manifestações em todo o país

O recente desabastecimento de antirretrovirais na rede pública desencadeou uma série de atos públicos simultâneos em todo o país, em 28 de abril. Unidades de saúde de diversos municípios registraram a falta de abacavir – antirretroviral importado, administrado por aproximadamente 300 mil brasileiros – e de lamivudina e biovir, produzidos por Fiocruz/ Farmanguinhos. “Muitos pacientes não podem simplesmente trocar de esquema terapêutico porque falta um medicamento. A conseqüência é a interrupção arbitrária da terapia e isso não pode acontecer em hipótese alguma”, afirma José Liporage Teixeira, presidente da Associação Brasileira de Farmacêuticos.

A justificativa do Ministério da Saúdepara a falta do lamividuna e do biovir é que o laboratório Farmanguinhos não cumpriu o prazo de entrega. Sobre o abacavir, importado da Índia, houve problema na documentação de importação do remédio.

Estoques regularizados
Em carta, a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Mariângela Simão afirmou que o medicamento importado abacavir 300 mg já havia sido liberado pela Receita Federal e estava no almoxarifado do Ministério da Saúde em Brasília. A quantidade total da entrega seria o equivalente a três meses de tratamento, e um novo lote seria entregue com quantida de suficiente para atender a demanda nacional por mais oito meses.

O Departamento informou ainda que o cronograma de entregas dos medicamentos de produção nacional, a combinação zidovudina + lamivudina (AZT+3TC) e lamivudina 150mg foi cumprido integralmente no dia 30 de abril, regularizando o abastecimento desses produtos.
Segundo Mariângela Simão, a compra de medicamentos no país segue uma rotina de aquisição estabelecida pelo Ministério da Saúde cujos contratos da rede de abastecimento para 2011 serão firmados entre setembro e novembro de 2010. Apesar disso, as compras realizadas nos contratos de 2010 incluem a manutenção de estoque estratégico suficiente para atendimento da demanda até junho de 2011.

Compartilhe