Conversa Positiva

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Edições Especiais » Conversa Positiva » Conversa Positiva n.02

09/2002

Entenda melhor a lipodistrofia

Saber o que ocorre no seu corpo é fundamental para você compreender o problema e tentar modificá-lo.
Confira algumas informações básicas sobre lipodistrofia.

O QUE É A LIPODISTROFIA?

A lipodistrofia é um efeito colateral que vem causando muitos transtornos a pessoas soropositivas. Trata-se de uma alteração na distribuição de gordura do organismo com concentração de gordura na barriga, costas, pescoço e nuca (giba) e perda de gordura nos braços, pernas, nádegas e face. Além disso, hoje em dia está se chegando a um consenso de que a lipodistrofia é a mistura de várias modificações também no funcionamento do organismo (alterações metabólicas), como o aumento do colesterol e dos triglicérides, elevando o risco de problemas cardíacos e resistência à insulina, o que pode causar a diabetes. Algumas pessoas sentem dores no corpo, em especial nos músculos, por causa do aumento do ácido lático. Leia mais sobre as alterações metabólicas nas páginas 8 e 9.

POR QUE ELA OCORRE?

Segundo o dermatologista Márcio Serra, membro da Câmara Técnica de Aids do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) e membro do Grupo de Trabalho para abordagem da Lipodistrofia da Coordenação Nacional de DST/Aids (CNDST/Aids) do Ministério da Saúde, ainda não se sabe exatamente o mecanismo que leva ao aparecimento da lipodistrofia. “Todas as vezes que alguma pesquisa tenta chegar a uma conclusão, aparece outro paciente com características diferentes mostrando um outro mecanismo”. Porém, algumas dúvidas já foram esclarecidas. Por exemplo, tempo de infecção pelo HIV, idade do paciente e o tempo de uso dos anti-retrovirais são alguns dos fatores de risco para o aparecimento da lipodistrofia.

Esse processo é lento e, em algumas pessoas, pode demorar alguns anos para ser percebido. Porém, quando o paciente começa a utilizar os anti-retrovirais (ver listagem na página ao lado), ocorre uma aceleração no processo da lipodistrofia e as alterações no corpo se tornam mais aparentes com poucos meses ou anos de uso freqüente desses remédios. Acredita-se que os inibidores de transcriptase reversa estejam mais relacionados com a perda de gordura da face, dos braços e das pernas. Já os inibidores de protease, poderiam causar tanto o acúmulo de gordura na barriga, giba e costas como a perda de gordura dos membros, das nádegas e do rosto.

Perda de energia em repouso
Suspeita-se que um dos mecanismos que pode causar a lipodistrofia seja a intoxicação da célula (causada pelo ataque às mitocôndrias, chamada de toxicidade mitocondrial) pelos medicamentos e pelo próprio HIV. Outra possibilidade é a perda de energia em repouso que é maior em soropositivos do que nas pessoas em geral. “Essa perda de energia já causa um emagrecimento. Logo, ela pode contribuir ainda mais para o afinamento dos braços, pernas, rosto e perda de massa muscular magra”, diz Márcio Serra.

POR QUE ALGUMAS PESSOAS TÊM E OUTRAS NÃO?

Segundo o dermatologista Márcio Serra, o aparecimento da lipodistrofia pode estar relacionado à herança genética. Pessoas têm reações diferentes quando tomam o mesmo medicamento. Por exemplo, alguns soropositivos têm anemia com o uso da zidovudina. Outros, não. Ele assegura que nenhuma pesquisa até agora conseguiu comprovar características em comum nas pessoas que sofrem de lipodistrofia, exceto às relacionadas ao uso freqüente dos remédios, à idade e à infecção pelo HIV. No caso do aumento do colesterol e de triglicérides, uma pessoa que tem antecedentes familiares de doença cardíaca e que seja fumante pode estar mais propensa a ter sérios problemas de coração.

PARAR DE TOMAR OS REMÉDIOS NÃO É A SOLUÇÃO

Trabalhos científicos indicam que substituindo alguns medicamentos pode-se ter melhora somente no acúmulo de gordura na barriga e na nuca. Porém, a gordura perdida nas outras regiões do corpo pode não voltar. Márcio Serra alerta, no entanto, que parar de tomar todos os remédios não é bom. O primeiro passo é avaliar, junto com o seu médico, todos os sintomas. É importante você lembrar que não são apenas os medicamentos que causam lipodistrofia. O HIV também. Logo, pensar em parar o tratamento pode ser uma decisão precipitada que poderá gerar mais problemas no futuro.

MEDICAMENTOS ANTI-RETROVIRAIS*
Inibidores de Transcriptase Reversa Análogos de Nucleosídeos Inibidores de Transcriptase Reversa Não-Análogos de Nucleosídeos Inibidores de Protease
abacavir, didanosina, estavudina, lamivudina, zalcitabina, zidovudina, zidovudina + lamivudina delavirdina, efavirenz, nevarapina amprenavir, indinavir, lopinavir + ritonavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir
* Todos estão represenados com seus nomes genéricos

 

Compartilhe