Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.19

12/2002

Estavudina + lamivudina + efavirenz

Um esquema eficiente para iniciar a terapia anti-retroviral

Segundo o infectologista Estevão Portela, existe atualmente uma tendência muito grande de prescrever esquemas que envolvam dois inibidores da transcriptase reversa análogo de nucleosídeos (nesse caso, a estavudina e a lamivudina) e um inibidor da transcriptase reversa não análogo de nucleosídeo (principalmente, como no esquema apresentado, o efavirenz). “Existem cada vez mais dados que comprovam a eficiência dessa combinação como primeiro esquema anti-retroviral”, diz o infectologista. “Além da adesão à terapia ser mais fácil, pois os medicamentos podem ser tomados em apenas duas vezes por dia, o paciente é poupado dos problemas metabólicos (aumento do colesterol, do triglicerídeo e lipodistrofia) e gastrintestinais (diarréia e náuseas) que são causados com mais freqüência pelos inibidores da protease”, ressalta Portela. Mas, infelizmente, quem toma essa combinação não está livre de efeitos colaterais.

A estavudina pode causar em algumas pessoas uma inflamação nos músculos periféricos que se manifesta através de dores no corpo e dormência nos pés e nas mãos. Se esse for o seu caso, seu médico poderá lhe indicar como amenizar o problema.
Quem toma o efavirenz pode sofrer, principalmente durante as primeiras semanas, alterações de humor e do sono. Para que esse efeito não afete suas atividades diárias, é preferível tomar esse remédio antes de dormir.

A lamivudina praticamente não provoca efeito colateral.

Veja a seguir as dicas do nosso personagem João. Não se esqueça de que são apenas sugestões. Você e seu médico são as pessoas mais indicadas para escolher a melhor forma para você tomar a sua medicação.

Estavudina 
1 cápsula de 12 em 12 horas
Lamivudina 
1 comprimido de 12 em 12 horas
Efavirenz
3 cápsulas 1 vez ao dia

 

11h da manhã
No trabalho, João toma seus medicamentos: 1 cápsula de estavudina e 1 comprimido de lamivudina.


11 da noite

Antes de dormir, João toma as 3 cápsulas do efavirenz.
Para ajudar minimizar as perturbações causadas pelo efavirenz, durante os primeiros dias de tratamento, experimente ingeri-lo junto com
alimentos. João toma também a segunda dose dos outros remédios:
1 cápsula de estavudina e 1 comprimido de lamivudina.


SAIBA MAIS

A Relação entre Carga Viral e CD4

O principal alvo do HIV são as células CD4, presentes no sangue e responsáveis por defender o organismo de infecções. Quando há uma grande quantidade de vírus no sangue, as células CD4 são muito atacadas e seu número diminui. Quando, com a terapia anti-retroviral, se consegue reduzir a quantidade de HIV, ou seja, baixar a carga viral, o número de células CD4 aumenta. Em algumas circunstâncias, porém, isso não acontece rápido.

Quando se inicia o tratamento anti-retroviral com o nível de CD4 abaixo de 200, a resposta imunológica será mais lenta. A carga viral diminui, mas a quantidade de CD4 demora a aumentar. “No entanto, mesmo que o nível de CD4 demore a subir, o fato de a carga viral ter baixado já é muito promissor”, afirma o infectologista Estevão Portela. De qualquer forma, segundo ele, o recomendável é que se inicie o tratamento anti-retroviral antes que o CD4 esteja próximo a 200, mesmo sem haver sintomas de doença.

Portela explica também que o CD4 é um marcador que flutua muito: “Se um exame mostra que ele baixou, são necessários outros exames para confirmar qual é a tendência dele e isso só se vê com o tempo. Uma simples gripe pode fazer com que o CD4 baixe”, afirma o infectologista.
Se uma pessoa apresenta um nível de CD4 elevado e a carga viral também elevada, seu caso deve ser acompanhado bem de perto, com exames periódicos, pois existe um grande risco do nível de CD4 cair rapidamente.a

Compartilhe