Saber Viver Jovem

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Edições Especiais » Saber Viver Jovem » Saber Viver Jovem n.01

01/2004

Eu quero beijar muito!!!

Beijar, abraçar, se enroscar, agarrar e …transar!  Será que eu posso?

Se você fez o teste, já sabe que a saliva não transmite o HIV. Então, pode beijar sem medo, até cansar! Beijo, além de ser uma delícia, só faz bem. Abraços e amassos, então? Totalmente liberados! Quanto a transar… leia antes com atenção essa matéria e bom proveito!

Não é porque você é soropositivo que vai ter que viver sua juventude de maneira diferente das outras pessoas. Na adolescência tá todo mundo querendo namorar e com você acontece o mesmo, não é? Mas, quando a cabeça está cheia de caraminholas, as coisas se complicam um pouco. Vamos, então, começar a descomplicar?

Contar ou não contar, eis a questão
“Contar que eu tenho o HIV? Que sufoco!”. Quem disse que tem que contar? Você só conta se quiser. Com responsabilidade e alguns cuidados, você vai poder deitar e rolar à vontade com quem estiver a fim.

Sandra mora em Recife e, aos 16 anos, ainda não sentiu necessidade de contar para a pessoa que namora que é soropositiva. “Mas acho que esse é um problema que eu vou ter que enfrentar um dia, quando tiver mais convivência com alguém ou quando for morar junto. Aí vou ter que contar”, diz ela. Já Moacir, 16 anos, de Salvador, já decidiu: “Não conto para minha namorada. Não é por medo dela terminar, é medo de ela fazer fofoca”, diz ele, que ressalta: “Só transo de camisinha”.

Eu quero contar que eu tenho o HIV
É normal querer dividir com o parceiro ou parceira coisas íntimas. Falar dos seus desejos, das suas alegrias e tristezas e contar segredos. Mas dá um medo danado da reação do outro, não é?

Diana, 14 anos, queria muito contar para o menino que gosta que ela é soropositiva, porém… “Eu me preparei toda para contar, mas na hora congelei”, diz ela. Para superar o medo, Renata, 16 anos, tem uma dica: “É melhor ir sondando primeiro para ver a reação. Fiz algumas perguntas para o meu namorado do tipo: ‘Você namoraria uma garota com HIV?’ Quando por fim contei que eu era soropositiva, ele não se importou”.

Contei e me dei mal
Infelizmente, isso pode acontecer. A história de Rosa é um exemplo disso. Ela tem 17 anos e mora em São Paulo. “Tive um namorado que não sabia que eu estava infectada pelo vírus HIV. Depois que a gente brigou, eu acabei contando. Ele fez um escândalo, disse que eu tinha que ter contado antes. Parecia até que tinha ficado com nojo de mim. Eu nunca mais olhei na cara dele”.

Infelizmente, muita gente é completamente desinformada sobre as formas de contágio do HIV. Para superar isso, só com muita informação. Quer uma sugestão? Dê essa revista para quem você namora dar uma lida. Nem precisa dizer que é sua, diga que pegou por acaso. Quem sabe essa pessoa entende que todo mundo que um dia transou sem camisinha corre o risco de se infectar pelo vírus da aids? Quem sabe ela aprende que a aids hoje, apesar de não ter cura, tem tratamento? Quem sabe ela deixa de ser preconceituosa?

NAMORE SEM MEDO:
- Beijo de língua, daqueles bem molhados, não passa aids. Se houver alguma ferida na boca, é melhor deixar o beijo para outra hora. E não se esqueça de fazer uma visita ao dentista.
- Brincadeiras sexuais, como um masturbar o outro, um beijar o corpo do outro, são uma maneira gostosa de dar e receber carinho. Juntos, vocês podem descobrir outras formas de prazer, além da penetração, que não oferecem perigo de infecção pelo HIV.
Fazer sexo oral usando a camisinha como barreira entre a boca e o órgão genital não passa aids.
- Se você transar usando camisinha desde o início até o fim da penetração, tudo bem. Não vale colocar a camisinha só na hora da ejaculação, nem transar sem camisinha e tirar o pênis na hora de gozar. Essas duas práticas podem passar o HIV.

Ter dúvidas sobre sexo é super comum, ainda mais quando se está começando a vida sexual. Por isso, convidamos o psicólogo e sexólogo Cláudio Picazio para responder aquelas perguntas difíceis que ninguém sabe para quem perguntar.

1- Todas as minhas amigas já transaram. Eu tenho 21 anos e ainda sou virgem. Não consigo pensar muito em sexo. Por que será?

Por algum motivo, você deve ter ‘congelado’ da sua vida a questão sexual. Não fazer sexo não é problema, desde que seja por opção, não por uma sensação de incapacidade. Muitas pessoas sentem essa mesma dificuldade e geralmente ela está associada à dificuldade de criar um vínculo, ou por um enorme medo de punição da família ou da religião, ou por causa da infecção pelo HIV/aids. Pense sobre isso. Uma dica: converse com o psicólogo do local onde você faz o tratamento. Ele poderá te dar uma força.

2- Acho que estou me masturbando demais. Eu gosto, mas tenho medo de ter algum problema.

Masturbação não faz mal a ninguém. O que determina se é demais ou de menos é o fato de uma pessoa se acomodar com a masturbação e não buscar mais um parceiro ou parceira, “trocá-los” pela masturbação. Outro fator importante que pode determinar um excesso é se a pessoa deixa de fazer atividades, como trabalhar, estudar etc… para ficar se masturbando!
De resto, boa pratica!

**********************************

 

 

Este conselho vale para todo mundo. Hoje, quem não transa de camisinha tá totalmente por fora. João mora em Rondônia, tem 18 anos, e sabe muito bem disso: “A camisinha é certa para qualquer pessoa usar. Já se tornou normal. Sempre transei com camisinha. No começo procurei aprender como se deve usar e por quê”.

Sandra, nas conversas com suas amigas, nota que tá todo mundo pensando da mesma forma. “Tenha ou não HIV, é preciso usar camisinha. E não é só por causa da aids, é para prevenir a gravidez também. Tem que usar e pronto. Não tem que dar explicação”, diz ela.

O uso da camisinha evita, além da aids, outras doenças sexualmente transmissíveis, como a sífilis e a gonorréia. Além disso, ao transar com camisinha, você se protege de uma nova infecção do HIV. Sem falar que o sexo seguro previne uma gravidez fora de hora.
Vale lembrar que a camisinha é uma responsabilidade do menino e da menina. Menina que anda com camisinha na bolsa é moderna, esperta e segura de si. Menina que usa camisinha feminina então, nem se fala!

 

Compartilhe