Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Solução » Solução n.18

04/2007

Farmácia Estabelecimento de Saúde

Campanha nacional quer legitimar o papel do farmacêutico na promoção,
prevenção e recuperação da saúde da comunidade

Entidades de Farmácia de todo o Brasil reivindicam a aprovação do projeto de lei 4.385, que propõe transformar farmácias em verdadeiros centros primários de atenção à saúde. Desde 2000, o projeto de lei Ivan Valente, como ficou conhecido, aguarda votação do Congresso e, se aprovado, significará um avanço da legislação brasileira na concepção do que é farmácia – de mero comércio a estabelecimento de saúde.

A campanha nacional Farmácia Estabelecimento de Saúde, que reúne Associação Brasileira de Farmacêuticos (ABF), Federação Nacional de Farmacêuticos (FENAFAR), Conselhos Regionais de Farmácias, sindicatos farmacêuticos e alunos de farmácia, além de lutar pela aprovação da lei, pretende conscientizar a população sobre seus direitos a um serviço de qualidade. Outro ponto importante da campanha é o fortalecimento do trabalho do farmacêutico, ao evidenciar o valor e o papel social da profissão, proporcionando a ampliação de sua atuação.

Acompanhando o paciente de perto

Segundo dados divulgados pela campanha, cerca de 20 mil casos de intoxicação por medicamentos são notificados aos serviços de saúde a cada ano, 50% dos medicamentos são prescritos, dispensados ou usados de maneira inadequada e apenas 50% dos pacientes tomam os remédios corretamente. Mudar esse quadro urgentemente é o que pretendem as entidades de farmácia envolvidas. “À farmácia cabe a responsabilidade de irradiar noções básicas de saúde e de promover o uso racional de medicamentos, através de profissional competente, o farmacêutico”, diz o folder da campanha.

Com a aprovação da lei e a conscientização da sociedade, espera-se que a população tenha acesso efetivamente à assistência farmacêutica, como preconiza o SUS: O profissional de farmácia deve oferecer acompanhamento integral ao usuário durante tratamento medicamentoso, análise de prescrições, orientações quanto ao uso racional de medicamentos e avaliação das reações e interações medicamentosas.

A lei poderá definir ainda o papel de técnico de farmácia como auxiliar do farmacêutico.

SAIBA +
www.fenafar.org.br

Compartilhe