Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.05

07/2000

Fim de semana. Seu tratamento não pode ser esquecido

Depois de uma semana de trabalho tudo que a gente quer é relaxar. Você pode e deve aproveitar o final de semana, mas não esqueça de proteger sua vida. Os remédios contra Aids têm que ser tomados exatamente como o médico prescreveu, todos os dias. Saiba que você corre um grande risco se deixar de tomar alguma dose da sua medicação. Se isto ocorrer, informe seu médico e cuide para que nunca mais aconteça.

Mais uma vez, nosso personagem João está aqui para mostrar como ele se organiza para aproveitar seus dias de descanso e lazer sem atrapalhar o tratamento. Desta vez os medicamentos são: BIOVIR e VIRAMUNE.

BIOVIR 
1 comprimido de 12 em 12 horas
VIRAMUNE (Nevirapina) 
1 comprimido 1 vez ao dia, durante 14 dias. A partir do 15º dia, 1 comprimido 2 vezes ao dia, de 12 em 12 horas

7hs da manhã 
Hoje é sabado! Só que João vai ter que acordar cedo, como todos os dias, pra tomar seus comprimidos na hora certa. Por isso, na noite anterior, ele põe os remédios e um copo de água ao lado da cama e acerta o relógio para despertar às 7 horas. Ao acordar, ele toma 1 comprimido de BIOVIR e 1 comprimido de VIRAMUNE, que podem ser tomados juntos. Depois volta a dormir.

7hs da noite
Nunca esquecer o relógio é uma regra básica para quem tem que estar sempre atento aos horários da medicação. Levar os remédios de que vai precisar numa caixinha, toda vez que sair, é outra. João está no cinema e chegou a hora de tomar a segunda dose tanto do BIOVIR como do VIRAMUNE. Não tem o menor problema. Ele dá uma saidinha rápida e toma os remédios com um pouco de água do bebedor. Se quiser, leve um copo de água para dentro do cinema, antes de começar a sessão. Assim você não perde nada do filme.

CONFIANÇA
A palavra chave da relação entre você e seu médico

Na batalha diária contra o HIV, seu médico deve ser visto como um parceiro, como alguém que está ali para, junto com você, pensar a melhor estratégia para enfrentar o vírus. “É imprescindível que médico e paciente tenham uma relação de confiança. Converse bastante com seu médico. Assim como seus exames laboratorial e físico, sua história de vida também é importante na hora de escolher que tipo de tratamento seguir”, diz o infectologista Estevão Portela. Por outro lado, o médico, devido a complexidade da doença, tem que se dedicar realmente ao assunto porque qualquer erro pode ser bastante perigoso. “A Aids é um tema muito dinâmico, o médico precisa estar constantemente se atualizando. O paciente acompanhado por um médico com experiência na área, bem informado, tem menor chance de sofrer complicações decorrentes da Aids”, completa o infectologista.

O Ministério da Saúde edita constantemente material sobre o tratamento do HIV. Além disso, periodicamente são organizadas conferências mostrando os avanços na área. Na internet existem vários sites onde médico e paciente podem buscar informações. Um deles é o site da Viva Cazuza (www.vivacazuza.org.br). O paciente também tem obrigação de estar bem informado. Portanto procure saber mais sobre seu médico, participe de grupos de discussão, leia sobre o assunto. Afinal é sua vida que está em jogo!


Compartilhe