Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.14

02/2002

Força, fé em Deus e pensamento positivo

Tenho 42 anos. Em 1986, apareceu nas minhas costas uma mancha. Fui ao dermatologista e ele solicitou vários exames, inclusive o de HIV. Deram todos negativos, exceto o de HIV. A mancha não tinha nada a ver com o vírus. Fui encaminhado a um infectologista e, de 1986 a 1992, realizei apenas exames de rotina. Meu parceiro, que era soronegativo, precisou do meu apoio para encarar a nossa situação. O relacionamento durou seis anos e só terminou por causa do ciúme dele.

Conheci, em 1992, outra pessoa, exatamente no dia em que eu precisei tomar o AZT. Contei para ele sobre a minha soropositividade. Ele pirou e mais uma vez tive que consolar o meu companheiro. Parece que eu era o soronegativo.

Em 1996, passei a tomar o segundo remédio para subir o CD4. Continuei forte, sempre com a cabeça erguida, sem me entregar, afinal eu sei que vou morrer um dia.

Continuava com meu segundo parceiro e sempre insistia que ele fizesse o teste. Ele nunca teve coragem de fazê-lo. Eu dizia a ele: “Caso você tenha o HIV, é melhor saber e se tratar logo”. Em 1999, ele fez o teste e deu positivo. Ficou abatido e desesperado. Entregou-se e não aceitou o tratamento, mesmo estando ao meu lado.

Estamos em 2002, já perdi três familiares, dois colegas e meu segundo companheiro por causa da Aids. Acompanhei todos de perto, inclusive ficando no hospital com eles. Mas estou aqui. Sei que não tenho Aids, apenas sou soropositivo. Vocês devem pensar assim. Não desistam antes da hora. Ergam a cabeça. Mesmo diante de febres, de diarréias, de depressão, elevem o seu pensamento e sigam em frente. Visitem pessoas internadas. Dêem uma força a quem precisa. Parem de pensar besteiras, creiam em algo. Eu creio em Deus. Dêem valor a suas vidas.
Sou assintomático há 15 anos e fui duas vezes selecionado pelo Hospital Emílio Ribas para participar de pesquisas. Que Deus me dê quantos anos eu merecer. Ele é quem sabe. Um grande abraço para todos vocês e feliz 2002.”

Eduardo Araújo
São Paulo (SP)

Compartilhe