Circulador

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Circulador » Circulador n.05

10/2012

Investindo no futuro

Atenção à primeira infância cria oportunidades para o desenvolvimento saudável

Crianças se divertem no Espaço Brincar – o cuidado na primeira infância, montado durante o evento Primeira Semana do Bebê Carioca.

Órgãos internacionais têm destacado a importância do investimento nos primeiros anos de vida como forma de promoção de saúde e redução de desigualdades. A Prefeitura do Rio de Janeiro abraçou essa ideia e vem colecionando conquistas. Em agosto de 2011, a I Semana do Bebê Carioca – Rio a Cidade que Amamenta contou com um seminário científico e um evento aberto à população. Paulo Bonilha, coordenador da Área Técnica da Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, comemora: “Graças à mobilização social, temos, ano a ano, melhorado as taxas de aleitamento”. Fechando a semana, foi realizado o Dia de Mobilização Popular em Prol da Primeira Infância, 28 de agosto. Cerca de duas mil mulheres reunidas durante um grande “mamaço” chamaram a atenção para a importância da amamentação para a saúde do bebê e a criação de vínculos entre mães, pais e filhos.

Valorização da paternidade

Ainda em agosto, unidades de saúde cariocas, em parceria com ONGs e universidades, promoveram diversas atividades para a sensibilização de todos sobre o importante papel do pai na primeira infância. O CMS Professor Masao Goto investiu na construção coletiva de um novo visual para a unidade. “Criamos painéis e cartazes com fotografias e mensagens de pais e filhos. O resultado foi uma exposição permanente na unidade”, diz a assistente social Mônica Arruda. Rodas de conversa e oficinas de shantala e recreação contribuíram ainda mais para a interação da equipe de saúde com os usuários do CMS. Na maternidade Carmela Dutra, os pais também ganharam um espaço de troca com os profissionais. “Quanto mais o pai participa dos primeiros momentos do bebê, mais estimulado é o vínculo entre eles”, acredita Ruth Mesquita, assessora da direção da maternidade.

VALE A PENA! “Eu acho importante porque hoje em dia o pai é visto num papel secundário, de menor importância, quase opcional. Eu penso que a figura paterna é fundamental para a criança”. Paulo Roberto, 32 anos, pai de Rafaela, sobre as atividades do Mês de Valorização da Paternidade no CMS Masao Goto


Ambiente facilitador à vida

Em prol da primeira infância, a Estratégia Brasileirinhas e Brasileirinhos Saudáveis (EBBS) – Primeiros Passos para o Desenvolvimento Nacional envolve equipes do Saúde da Família na produção de consensos sobre os processos de trabalho. A psiquiatra Liliane Penello, coordenadora técnica da EBBS, acredita que estabelecer vínculos entre crianças, pais ou cuidadores e sua rede social favorece o surgimento de “ambientes facilitadores à vida”. Para a médica Luciana Borges, apoiadora da iniciativa pela SMSDC-RJ, são precisos abraços concêntricos: “a criança abraçada pela família, a família pela sociedade e a sociedade pelo governo”. No Rio, as comunidades contempladas são Santa Marta, Chapéu Mangueira e Babilônia. Grupos locais foram convidados a formar com os técnicos um fórum de discussão para planejar atividades e colocá-las em prática. Caminhadas ecológicas e oficinas de aproveitamento de alimentos são alguns exemplos. João de Moraes, articulador de campo da EBBS, destaca a importância das parcerias: “Mobilizar a comunidade é um trabalho diário e pactuar ações com a diversidade dos grupos envolvidos é desafiador”, diz.

Mães adolescentes

O Programa Mães Adolescentes e suas Crianças, uma parceria do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e da SMSDC-RJ, também contribui para a saúde dos pequenos e de suas famílias, nas áreas de maior vulnerabilidade social da cidade. Para isso, conta com visitas domiciliares a mães adolescentes. “Nós buscamos fortalecer a autonomia delas”, afirma a psicóloga Cynthia Boghossian, responsável pelo Programa, que também aposta nas parcerias para ampliar a rede de apoio social às famílias.

Compartilhe