Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.36

06/2006

Manoel Carlos cria personagem soropositivo para próxima novela da Globo

A história de um portador do HIV será um dos temas abordados na próxima novela das nove horas da Rede Globo de Televisão, Páginas da Vida. O autor, Manoel Carlos, ainda está construindo o
personagem, que deverá entrar na trama somente a partir do 25º capítulo. Mas ele antecipa suas idéias em uma entrevista exclusiva para a Saber Viver.

SV: Por que a idéia de criar um personagem soropositivo?
É mais um esclarecimento e um alerta. O que eu sei é que baixaram a guarda. O aparecimento do AZT, dos coquetéis, a mídia anunciando muitas vezes que a doença está vencida ou sob controle, levou as pessoas a se descuidarem, a voltarem a praticar sexo sem os preservativos. Isso no que diz respeito aos cuidados que cada um deve ter consigo mesmo, já que quando se trata de contágio por transfusão de sangue, cabe ao governo, ao Ministério da Saúde, tomar providências.O que acontece também é que aids saiu da 1ª página dos jornais porque não tem morrido nenhum artista ou pessoa de projeção em alguma atividade. Isso diminui a preocupação com a doença. Minha novela vai enfocar esse aspecto.

SV: Você acredita que a novela poderá diminuir o preconceito sobre o qual muitos soropositivos ainda estão submetidos?
Acho que de uma maneira ou de outra a novela sempre pode ajudar, já que abre um canal muito extenso com a sociedade. Muitas vezes o que falta é justamente isso, um meio de comunicação para levantar problemas, exigir medidas, apresentar sugestões, colher resultados.

SV: Muitos soropositivos lutam para ter uma vida normal, principalmente depois do acesso ao tratamento. Qual será a sua estratégia para construir um personagem vivendo com HIV/aids sem vitimizá-lo?
Isso ainda está em gestação. O personagem só vai entrar na novela bem mais tarde, quando a novela estiver no capítulo 25 mais ou menos. Então, por enquanto eu estou colhendo informações e esculpindo – por assim dizer – o perfil do que ele será e como será.

SV: Haverá espaço para se falar abertamente sobre as formas de contágio do HIV?
Espaço amplo e liberdade plena.

SV: Como está sendo feito o trabalho de pesquisa?
Na minha equipe, há duas pesquisadoras (Leandra e Juliana) que estão trabalhando na área de pesquisa. Mas, de qualquer maneira, ainda estou pensando no tema para encomendar novas pesquisas.

SV: Qual é a mensagem que você deixa aos leitores da revista Saber Viver?
Deixo minha total solidariedade e a promessa de me empenhar, a fundo, com todos os recursos disponíveis, para que a presença desse personagem possibilite uma discussão ampla e eficaz sobre a epidemia. SV

 

 

Compartilhe