Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.18

10/2002

O mundo contra a AIDS

Cerca de 15 mil pessoas de todo o mundo se reuniram em Barcelona entre os dias 7 e 12 de julho para participar da 14ª Conferência Mundial de Aids. As manifestações por acesso a tratamento e contra a omissão dos países ricos foram a tônica desse evento. Leia nas próximas páginas um breve resumo da maior conferência já realizada em torno da epidemia de Aids.

Desde a última Conferência de Aids realizada há dois anos na África do Sul, ficou claro que o enfrentamento da epidemia requer ações que extrapolam o problema da falta de medicamentos. São necessários investimentos capazes de estimular o desenvolvimento econômico e social dos países mais afetados pela epidemia e garantir à população o acesso a serviços de saúde de qualidade. Com esse objetivo, foi criado o Fundo Global de Combate à Aids, à Tuberculose e à Malária, compromisso firmado por diversos países que visa a favorecer o acesso de pacientes pobres ao tratamento. Atualmente, o Fundo conta com 2 bilhões de dólares, mas a expectativa era que tivessem sido levantados cerca de 10 bilhões. Durante a Conferência, foram cobrados os compromissos assumidos pelos governos e traçadas novas formas de ação para que “a vida de quem vive em Nova York, Moçambique ou Índia passe a ter o mesmo valor”, como disse Irene Fernandez, ativista de uma Organização Não-Governamental da Malásia, em seu discurso na primeira sessão plenária da Conferência.

Milhões de soropositivos não têm acesso ao tratamento contra a Aids
Nos últimos anos, a ciência tem avançado como nunca na busca de novos medicamentos contra a Aids e os resultados têm sido animadores. Muitos portadores do HIV/Aids aumentaram sua qualidade de vida e hoje podem comemorar o sucesso de seu tratamento. Porém, a maioria das pessoas infectadas no mundo continua a morrer sem ter tido a oportunidade de usufruir os avanços da ciência nessa área. Para milhões de soropositivos que vivem em países da África, América Latina, Ásia e leste europeu, de nada adiantam as drogas de última geração. Poucos são os portadores do HIV/Aids de países em desenvolvimento que têm acesso aos anti-retrovirais. Por outro lado, é justamente nesses países que se encontra o maior número de pessoas infectadas (veja quadro abaixo).

Números de Aids no Mundo

40 milhões. Esse é o número estimado de pessoas vivendo com HIV/Aids no Mundo. Confira a diferença de distribuição dessas pessoas pelas áreas ricas e pobres do planeta e compare a desigualdade no acesso aos medicamentos.
Pessoas vivendo com HIV/Aids (estimativa) Soropositivos com acesso aos anti-retrovirais
Nos países em desenvolvimento 38 milhões
250 mil
Na África sub-saariana 28.500 mil
30 mil
Na América do Norte 950 mil
500 mil
Fonte: Unaids

Compartilhe