Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Solução » Solução n.18

04/2007

Planos para o futuro

Meta de farmácia em Campinas é implantar  atendimento individualizado.

Claudia Pontin é responsável pela Farmácia do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids de Campinas, um dos pólos da região metropolitana de São Paulo, e explica como é atender 3.300 pessoas por mês – 1.300 usuários de anti-retrovirais, sendo que 25, em média, iniciam a terapia mensalmente.

De que forma a equipe da farmácia organiza o trabalho?
Claudia Pontin: A Farmácia conta com uma equipe composta por duas farmacêuticas, uma técnica de farmácia e uma almoxarife. Possuímos um sistema informatizado de controle de estoque de todos os medicamentos. Cada paciente possui seu cadastro informatizado e, com isso, conseguimos gerar vários relatórios como: consumo, datas de retiradas dos medicamentos, abandonos e etc. Dessa forma, há uma maior facilidade na elaboração de planilhas e boletins mensais.
Toda a dispensação é feita pela equipe da Farmácia com orientações pertinentes. Atendemos apenas pacientes adultos e dispensamos os anti-retrovirais para 30 dias. Para alguns pacientes com dificuldades em tomar seus medicamentos, fracionamos toda a medicação para 7 ou 15 dias, fazendo com que ele volte ao serviço para um melhor acompanhamento em conjunto com a equipe de enfermagem.

Quais as dificuldades encontradas no dia-a-dia? Como pensam em superá-las?
Por termos uma equipe reduzida e com muitas atividades, ficamos impossibilitadas de dar atenção para todos os pacientes que fazem uso irregular dos ARVs ou para os que estão em abandono. É claro que outros profissionais do CR acabam fazendo este trabalho, mas o farmacêutico pode contribuir muito na melhoria da adesão ao tratamento. Esperamos que esse problema seja solucionado quando houver um aumento no quadro de funcionários para a Farmácia. Outra dificuldade é trabalhar com a falta de ARVs. Muitas vezes temos que fracionar os medicamentos para que não ocorra interrupção no tratamento.

Que metas pretendem atingir?
A primeira meta é a implantação do Siclom (Sistema de Controle Logístico de Medicamentos), que ainda está em fase de cadastramento. Outra meta é a implantação do atendimento individualizado aos pacientes em início de terapia ou com dificuldades no tratamento. Temos muitos materiais interessantes para melhorar a adesão aos medicamentos, como o Plano de Medicação Diário, elaborado junto com o paciente. Também temos interesse em participar de grupos que facilitam a adesão ao serviço e ao tratamento com ARVs. Esperamos que essas metas sejam cumpridas o mais breve possível.

SAIBA+
Farmácia do CRT DST/Aids de Campinas
De 2ª à 6ª, das 7h às 20h
Rua Regente Feijó, 637- Centro – Campinas
Tel: (19) 3234-5000 R. 4

Compartilhe