Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Profissional de Saúde » Saber Viver Profissional de Saúde n.17

10/2009

Qual é o impacto da aids na Saúde Mental?

Depressão, ansiedade, distúrbios neurocognitivos e abuso de drogas lícitas e ilícitas são cada vez mais frequentes.

Os transtornos psiquiátricos como depressão, abuso e dependência de álcool, drogas e tabaco entre outros, sãomais frequentes nas pessoas vivendo com HIV/aids (PVHAs), comparadas à população em geral. Muitas vezes, os portadores de HIV já apresentavam algum tipo de alteração patológica prévia à infecção, como transtorno de humor, esquizofrenia ou abuso/ dependência de álcool ou outras drogas. Estas condições potencializama vulnerabilidade à exposição ao vírus. Por outro lado, a descoberta do diagnóstico pode ter forte impacto psicológico e, eventualmente, desencadear recidivas ou mesmo surgimento de transtornos mentais, conforme propensão anterior do paciente. O diagnóstico pode levar o paciente a vivenciar o medo da morte e outros temores, que podem levar ao isolamento social e à depressão. Estas alterações na esfera mental podem ter repercussões significativas na evolução da doença de modos diversos. Os sintomas mais comuns são a tristeza reativa oumesmo franca depressão, no sentido psiquiátrico do termo, o que compromete os recursos do indivíduo frente aos desafios da vida e de como a pessoa organiza sua rede social de apoio. “Não é saudável viver com o diagnóstico solitariamente”, diz Ricardo Martins, psicólogo e coordenador de saúde mental do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP. Qual é o impacto da aids na Saúde Mental? Depressão, ansiedade, distúrbios neurocognitivos e abuso de drogas lícitas e ilícitas são cada vez mais frequentes.

Memória e Alzheimer
Segundo o psiquiatra do Centro de Referência e Treinamento em DST/ Aids de São Paulo (CRT DST/Aids), Luis Pereira Justo, há três tipos de ocorrências psiquiátricas em PVHA: distúrbios de ordem predominantemente cognitivos, transtornos de humor e comorbidade com dependência de álcool e drogas. Justo explica que, até o advento dos ARVs, era comum o surgimento de demência em PVHA, provavelmente devido a prejuízos produzidos pelo HIV no sistema nervoso central. Com os ARVs, houve queda na taxa de demência. Atualmente, observa-se mais transtornos neurocognitivos menores, como a perda de memória, do que no início da epidemia.

Há pesquisadores que apontam para o fato de que amaior longevidade dessas pessoas poderia aumentar suas chances emadquirir doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer. “Resultados preliminares de outros estudos demonstram a presença de alterações anátomo-funcionais, possivelmente relacionadas com a ocorrência de Alzheimer em pessoas mais jovens, mas que conviviam há vários anos com o HIV ou Aids. O fato levantou a hipótese de que as PVHA poderiamtermais propensão a desenvolver essa doença, não exatamente devido à idade,mas ao tempo de evolução da doença”, explica o psiquiatra.
Estão emdiscussão duas possibilidades potenciais na prevenção de doenças neurodegenerativas emPVHA: a utilização de mais categorias de antiretrovirais, para garantir que o medicamento chegue ao sistema nervoso central; e a redução dos fatores de risco, como o controle da hipertensão arterial, a diminuição das taxas de colesterol e glicose, entre outras comorbidades.

Estabilizadores de humor
Justo destaca que estudos em animais apontamque alguns estabilizadores de humor apresentamefeito benéfico na proteção do tecido cerebral, podendo indicar condutas nas quais o uso combinado de ARV e estabilizadores de humor seria uma alternativa para prevenir as doenças neurocognitivas. Mas há ainda que se fazer estudos, com métodos adequados, antes de chegar a um parecer mais definitivo.

Adesão ameaçada
Sobre a prevenção do HIV/aids com essa população, o psiquiatra explica que pessoas com transtornos mentais sãomais vulneráveis à infecção pelo HIV. O médico precisaria ter um cuidadomaior no que se refere à orientação a pacientes e familiares.
Os transtornos mentais também representam grandes ameaças à adesão. “Os infectologistas devem estar atentos à existência de distúrbios psiquiátricos em seus pacientes, uma vez que estes produzem impacto na adesão. É importante ainda detectar o consumo de álcool e outras drogas, para sensibilizá-los a abandonar seu uso ou propormedidas de redução de danos”, diz Justo.

Rede de referência
Normalmente, estas demandas são acolhidas pelas equipesmultidisciplinares dos Serviços de Assistência Especializada (SAE) em HIV/aids, quando contam com profissionais de saúde mental. Diante da ausência destes, os casos de transtornos mais graves devem ser encaminhados para o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS).

O Departamento de DST/Aids do Ministério da Saúde investiu no treinamento das equipes dos CAPS, para a construção de uma rede de referência no serviço de HIV/aids de estados e municípios. Além disso, investiu tambémna atenção às pessoas que vivem com HIV/aids que usam álcool e outras drogas, incorporando a estratégia de Redução de Danos no SAE. Luis Justo observa ainda certo receio de colegas não familiarizados com portadores de HIV/aids no manejo psiquiátrico desta população, em função de interaçõesmedicamentosas. “Essa articulação precisa ser fortalecida, pois é necessário não perder oportunidades de tratar estas pessoas comeficiência”, conclui Justo.
Segundo André Malbergier, professor e médico do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicinada Universidade de São Paulo, os clínicos, em várias pesquisas, mostraram-se pouco habilitados a detectar transtornos psiquiátricos em pacientes com e sem HIV. “Eles precisariam ser mais treinados para tal tarefa, já que não há psiquiatras suficientes para avaliar e tratar todos os pacientes que necessitam”, explica.

Procurar um psicólogo?
Para Ricardo Martins, a procura por um psicólogo não pode ser produto apenas do olhar do infectologista. O próprio paciente deve perceber, e os caminhos devem estar abertos nas instituições. “Os serviços devem oferecer mecanismos em que a pessoa possa refletir sobre sua condição psíquica. Precisamos sair dos modelos de clínica tradicionais”, afirma. As intervenções podem ser individuais (consultas) ou em grupo (discussão em sala de espera, grupo sobre sexualidade, adesão e arte-terapia).

Uma equipe de saúde mental pode ser composta por:
• Assistentes sociais
• Psicólogos
• Psiquiatras

Objetivos das ações de Saúde Mental e Aids:
• Identificar o grau de sofrimento psíquico
• Abordar a relação do sujeito com a doença
• Identificar estratégias de atuação e encaminhamento
• Promover reabilitação psicossocial
• Diminuir o sofrimento psíquico
• Buscar significações psicossociais da doença

O trabalho em saúde mental e Aids pode ser desenvolvido com várias populações e com diversos embasamentos, por exemplo:
Crianças
• Revelação diagnóstica
• Projeto e perspectiva de vida
• Violência: física e/ou sexual
• Compreensão sobre a adesão: colaboração da criança e envolvimento dos pais
• Discriminação: na escola e em casa
• Suporte social
Adolescentes
• Impacto do diagnóstico
• Sexualidade
• Efeitos colaterais damedicação (lipodistrofia)
• Inserção no mercado de trabalho
• Relacionamento familiar
• Rede social
• Adesão ao tratamento
• Discriminação
• Vulnerabilidade social e psíquica
Adultos
• Impacto do diagnóstico
• Perdas (saúde, financeiras, sociais)
• Promoção de renda
• Adesão ao tratamento
• Efeitos colaterais da medicação
• Sexualidade
• Retomada da vida afetiva
• Experiência subjetiva da doença
• Comorbidades psiquiátricas

As atividades podem ser desenvolvidas individualmente (aconselhamento, psicoterapia, consultas) ou em atendimentos grupais:
• Grupo de pacientes com lipodistrofia
• Grupo de adesão
• Grupo de arteterapia
• Grupo de gestantes
• Grupo de pacientes com hepatite
• Grupo de sala de espera

Serviços que não possuemequipemínima de saúdemental podemcontemplar umatendimento que tenha esta questão como embasamento levando em conta:
• Integralidade do paciente (abordagem no sujeito e não só o sintoma)
• Introduzir questões que contemplem aspectos da saúde mental nas consultas
• Ênfase no vínculo
• Participar da construção da rede de referência e contra-referência

Compartilhe