Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.34

12/2005

Somos soropositivos para o HIV

Começa a grande guerra, sem treinamento, sem reservas psicológicas. Onde estão os soldados que vão combater conosco? Onde estão? Tudo se esvaziou, vamos pedir socorro! Mas como seremos recebidos? Com mil receios! Somos fotocópias do vírus na mente dos que sabem. Mas há uma salvação, os remédios! Não lembramos disso. O nosso adversário, o próprio homem (os comuns e os de branco), também tem muito medo escondido debaixo da autoridade médica, chegando a nos agredir com palavras, demonstrando que essa doença é um enigma e que ainda há muito para descobrir sobre ela.
Com o tempo, isso passa. Mas temos desejo de fugir do próprio corpo. A família…Como começar a falar? Começamos a sentir que somos diferentes de todos, forçamos nossos pensamentos, somos iguais, não somos transparentes, é como se todos nos vissem por dentro. Nossa alma cala no silencio e na dor, mas sorrimos, sorrimos… Com os remédios (nossa esperança) começamos a melhorar, a comer, a dormir, ousamos até a fazer planos. Junto a médicos e enfermeiros atravessamos a grande batalha. Começamos a acordar.
Enfermeiros , quando começamos a perceber a indiferença de um enfermeiro, se eles pudessem sentir o que nós sentimos, eles trabalhariam conosco de forma diferente. Aí está o preconceito, estamos à margem na sociedade. Estamos bem melhor, atravessamos o campo de batalha, passamos para um navio, inseguros do porto em que vamos atracar. Deus está o tempo todo ao nosso lado.
Continuamos a melhorar. Percebemos que você e muitos outros desta casa nunca nos deixaram faltar sorrisos, mãos amigas. Começamos a nos sentir fortes porque temos amigos com os quais podemos contar.
Levantamos a cabeça e caminhamos firmes. Eu, eles, nós… Também filhos de Deus! Ilda P. C. CR. DST/Aids – Penha – SP Por e-mail

Compartilhe