Circulador

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Circulador » Circulador n.04

12/2009

Todos pela saúde

Rio de Janeiro é palco de ações inovadoras na área da saúde

Maravilhosa e partida. Exuberante e desigual. Com sua arrojada geografia e desafiante organização social, a cidade do Rio de Janeiro exige ações que contemplem sua diversidade. Atenta a isso, a Superintendência de Promoção da Saúde da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC- -RJ), fundamentada pela Política Nacional de Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, amplia a reflexão sobre promoção da saúde e articula diferentes setores a fim de fomentar a troca de ideias e multiplicar esforços e conquistas. Reavaliar o modelo de atenção e cuidado e propor a construção de novas formas de promoção da saúde, entendendo que isso implica compartilhar o conceito ampliado de saúde com os sujeitos envolvidos, é o ponto de partida.
Estimulando potencialidades e apostando na participação da coletividade, as ações da SMSDC-RJ e seus parceiros têm contribuído
para a redução de vulnerabilidades e para a melhoria da qualidade de vida dos habitantes do município. Através de redes, fóruns e oficinas, o objetivo é trabalhar a realidade específica de cada região e fortalecer o protagonismo dos cidadãos. Estes espaços favorecem a participação da população envolvida na elaboração e na implementação das ações de saúde e colaboram para promover a equidade, a solidariedade e o desenvolvimento comunitário.

Experiências de sucesso
Um exemplo é a interseção entre a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil e as comunidades de terreiro, que por meio da parceria com a Rede Nacional de Religiões Afrobrasileiras e Saúde desenvolve estratégias para promover a saúde da população negra. A união de diferentes saberes também é o caminho para a inclusão social de portadores de deficiências, pacientes psiquiátricos, pessoas em situação de violência e crianças com episódios frequentes de internação hospitalar. São redes de solidariedade que investem na intersetorialidade para comprovar o lema “a união faz a força”. O mesmo senso de parceria e responsabilidade é encontrado em iniciativas locais, que envolvem moradores de comunidades e profissionais de saúde, de educação e de cultura para solucionar problemas comuns a todos.
Esta nova edição do Circulador tem o objetivo de fazer circular essas experiências concretas e bem sucedidas de serviços de saúde e seus parceiros. São iniciativas participativas que, realizadas de acordo com as necessidades e desejos da população envolvida, tornam-se efetivas e promovem a equidade, a solidariedade, o desenvolvimento humano e comunitário e a qualidade de vida.
Acreditamos que, ao dar visibilidade a estas experiências, podemos contribuir para a multiplicação de resultados positivos.
Boa leitura!

Compartilhe