Saber Viver Jovem

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Edições Especiais » Saber Viver Jovem » Saber Viver Jovem n.01

01/2004

Transforme o lugar onde você faz tratamento em um espaço mais jovem!

Não tá satisfeito?
Não tem jeito! Posto de saúde, hospital e consultas médicas já fazem parte da vida de todo mundo que tem HIV. A galera que nasceu com o vírus já tira de letra as idas ao médico. A turma que pegou o vírus na adolescência, ainda está se acostumando com essa rotina.

Mas o problema rola quando a galera fica de saco cheio de ser tratado no setor de pediatria, junto com as crianças, mas também não fica numa boa no ambulatório de adulto. E aí, o que fazer? Na verdade, essa é a hora de tentar fazer alguma coisa.

Fale o que está te incomodando
O primeiro passo é falar o que está te incomodando para o profissional de saúde com quem você tem mais afinidade. Ninguém vai poder adivinhar o que passa pela tua cabeça. Tá certo que tem hospitais que não dão muito espaço para os jovens e alguns locais não podem fazer grandes coisas por falta de dinheiro. Mas a criatividade é tudo. E nesse ponto, todos os jovens sabem que podem ajudar. Um bom passo é identificar a pessoa do posto que é sua parceira. Pode ser um médico, uma psicóloga, uma assistente social. Abra o jogo com eles. Diga o que está te incomodando. Dê sugestões. Uma boa dica é pedir que eles reservem um dia de atendimento só para os jovens. Assim, fica mais fácil encontrar um grupo no hospital e fazer boas amizades.

Trocar idéia com a galera 
Outra dica é a formação de grupos de jovens. Imagine só: um espaço onde você pudesse ter contato com outros jovens que passam pelo mesmo sufoco e têm quase as mesmas dúvidas. Seria um alívio poder falar, claramente, de todos os grilos que rolam sobre namoro, amizade, discriminação, preconceito, ufa!! Pra isso, não precisa de grana. Precisa só de boa vontade do local onde você se trata. E cá pra nós: na maioria desses lugares tem sempre alguém que está disposto a escutar os outros. Se eles não quiserem formar um grupo, reúna a galera e forme a sua tribo!
Depois disso, quando todo mundo estiver bem entrosado, é mais fácil surgirem idéias legais para vocês ajudarem a tornar o posto ou hospital um espaço mais jovem. Talvez dê até pra rolar umas revistinhas, um rádio tocando músicas maneiras, uma cadeira mais legal pra sentar e até (êba!!!!!) um lanchinho.

Um espaço reservado para os jovens
Existem vários locais espalhados pelo Brasil que têm um atendimento especial para jovens. Um deles é o Hospital Grafreé e Guinle, no Rio de Janeiro, onde acontece o Projeto Convhivendo. Os jovens e crianças possuem uma sala onde fazem reuniões. Além disso, tem lanche e festas em datas especiais. Vários garotos e garotas já se tornaram grandes amigos. Os jovens participam ativamente do projeto, ajudando na organização e dando sugestões sempre.

Porque o lugar onde me trato é:

Legal

• Os médicos são bacanas
• Tem ajuda psicológica
• Tem tratamento para viver com saúde
• Alguns profissionais são
amigos pacas!
• Tem carinho e atenção

Chato

• O atendimento é muito demorado
• Só me mandam tomar remédio
• Não tem um local só pra gente
• Tem profissionais que não têm saco para atender a gente
• Não encontro outros jovens
• É um lugar de criança
• Os profissionais de saúde não conversam com a minha família

 

“É um saco ficar esperando tanto pelas consultas sem fazer nada”.
Carlos, 16 anos,
Rio de Janeiro – RJ
Podia ter um lanchinho, uma música pra gente ouvir e até umas revistinhas. Isso seria bem legal!”.
Leandro, 14 anos,
Porto Alegre RS
“O hospital poderia fazer umas palestras e debates com jovens que têm o HIV. Assim a gente poderia conhecer a galera”
Janaina, 19 anos,
São Paulo – SP
“Ter um lugar de atendimento que só tivesse a gente.”
Carla, 17 anos,
Belo Horizonte – MG.
“Queria que os profissionais viessem me aconselhar. Conversar comigo sem mentiras”.
Fernando, 15 anos,
Belém – PA
“Queria que o pessoal do serviço (de saúde) tivesse mais contato com as pessoas da minha escola. Seria muito legal se eles dessem uma palestra lá.”
Maria, 17 anos,
Salvador – BA.

Compartilhe