Saber Viver Tuberculose

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Edições Especiais » Saber Viver Tuberculose » Saber Viver Tuberculose n.01

06/2005

Tratamento preventivo afasta a tuberculose

Mara tomou a isoniazida por 6 meses em 1999 e não desenvolveu a tuberculose

Jucimara Moreira, 28 anos, descobriu que estava infectada pelo HIV há 10 anos. Em 1999, fez o tratamento preventivo da tuberculose e não desenvolveu a doença. Ela foi encaminhada ao tratamento porque estava com o CD 4 muito baixo e seu exame PPD deu reativo. Ou seja, ela já tinha tido contato com o bacilo da tuberculose que formou um foco inativo de bacilos no seu corpo. Com o CD4 baixo, ela corria sério risco de desenvolver a tuberculose a partir da reativação desse foco. Por isso, ela fez, durante 6 meses, o tratamento preventivo da doença com a isoniazida. “Fiquei muito satisfeita de ter dado tudo certo. Mas senti falta de informação durante o meu tratamento. Na época, eu não sabia que estava correndo o risco de ter tuberculose porque a minha imunidade estava baixa. A minha sorte é que tenho o hábito de aderir aos tratamentos que faço. Por isso, tomei todas as doses da isoniazida”.

Hoje, Mara (como é conhecida pelos amigos) sabe o quanto foi vantajoso realizar esse tratamento: “Se eu desenvolvesse a doença tuberculose, além de correr risco de vida, provavelmente a minha opção de medicamentos contra a aids diminuiria porque os remédios contra a tuberculose não podem ser tomados com vários anti-retrovirais”, explica. Atualmente, Mara toma certos cuidados para não ter um novo contato com o bacilo: “Evito locais fechados, principalmente quando tem alguém tossindo perto de mim”.

Para quem está fazendo o tratamento preventivo da tuberculose, ela deixa um recado: “A falta de prevenção hoje pode gerar a tuberculose amanhã. Portanto, tomar corretamente a isoniazida só lhe trará benefícios”.

Compartilhe