Saber Viver Tuberculose

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver Edições Especiais » Saber Viver Tuberculose » Saber Viver Tuberculose n.01

06/2005

Tuberculose e Aids

Uma doença incomoda muita gente. Duas doenças incomodam muito mais. Esta é a lógica para explicar o estrago que a Aids e a tuberculose juntas podem causar no organismo

HIV e tuberculose atacam as defesas do corpo

A tuberculose é uma doença muito antiga. A Aids é uma epidemia moderna. Surgiu há cerca de 20 anos. Apesar de terem aparecido em épocas distintas, essas doenças possuem características em comum que as tornam muito perigosas para as pessoas. A principal delas é que ambas atingem o sistema imunológico dos seres humanos. Ou seja, uma pode favorecer o aparecimento da outra. Não é à toa que a tuberculose já é considerada a doença oportunista mais freqüente em pessoas infectadas pelo HIV/Aids e responsável por um número considerável de mortes. Além disso, a pneumologista Ademildes Navarini, que trabalha há 15 anos com infectados pelo HIV, explica que a tuberculose acelera o adoecimento por Aids porque, quando o bacilo da tuberculose (chamado bacilo de Koch) se reproduz, ele também ataca as células de defesa do corpo. “Com isso, a pessoa fica com a imunidade baixa, propensa a ter outras doenças”, alerta Ademildes.

A doença tuberculose pode ser contraída de duas formas:

1) Através do contato com portadores da tuberculose pulmonar que eliminam bacilos pela tosse, espirro ou fala; ou 2) Pela reativação de um foco de bacilos. Geralmente, esse foco é adquirido em idade escolar, mas não chega a causar a doença tuberculose porque o próprio organismo se encarrega de isolá-lo dentro do corpo. A doença surge quando o sistema imunológico fica debilitado, propiciando a reativação desse foco.

Baixa imunidade pode reativar um foco de bacilos

A pneumologista Ademildes Navarini esclarece que as pessoas com Aids podem reativar um foco de bacilos por causa da queda do sistema imunológico: “Quando uma pessoa está com o sistema imunológico normal, o seu organismo pode criar uma cápsula para isolar esse foco. Assim, os bacilos ficam inativos no organismo por muitos anos. Como eles não se proliferam, não causam a tuberculose. O problema é quando o sistema imunológico do nosso corpo enfraquece, facilitando a reativação desse foco de bacilos, causando a doença. Logo, quanto mais baixa a imunidade da pessoa, mais chances ela terá de desenvolver a doença”, explica a médica.

Evitar a tuberculose é possível com um único remédio

Existe uma forma de tratamento preventivo da tuberculose que evita que um foco inativo se transforme em doença. O remédio usado para este tratamento é a isoniazida, que deve ser tomada por 6 meses sem interrupções. Este tratamento é bem simples, além de ser um recurso importante principalmente para as pessoas infectadas pelo HIV. Enquanto uma pessoa sem o HIV pode permanecer a vida toda com o bacilo da tuberculose inativo, sem desenvolver a doença, um soropositivo infectado por este bacilo tem mais chance, por ano, de ter tuberculose.

NÚMEROS DA TUBERCULOSE     

10 milhões de pessoas no mundo podem ter o HIV e o bacilo da tuberculose juntos (OMS)

100 mil pessoas têm tuberculose no Brasil

17 mil casos de tuberculose foram tratados, em 2000, no estado do Rio

1º lugar é a colocação do estado do Rio na taxa de incidência da doença no Brasil

12º lugar ocupa a cidade do Rio, entre todos os municípios do estado do Rio, com 6 mil novos casos por ano

O QUE É AIDS?

• A Aids é causada por um vírus – o HIV – que pode ser transmitido de uma pessoa infectada para a outra através de relações sexuais, de agulhas infectadas e durante a gestação, o parto e amamentação.

• Dentro da corrente sanguínea, o HIV inicia, sem que a pessoa infectada perceba, um lento e progressivo ataque às células de defesa do organismo, enfraquecendo-o e possibilitando o surgimento de diversas doenças.

O QUE É TUBERCULOSE?

• A tuberculose é uma doença causada pelo bacilo de Koch que é transmitido através do ar que respiramos. O doente de tuberculose pode liberar bacilos quando a doença atinge os pulmões, através de tosse, espirro ou fala. Quem estiver por perto corre o risco de ser contaminado.

• O bacilo da tuberculose pode atingir várias partes do corpo, como pulmão, rins, pele, fígado, ossos, gânglios etc, manifestando- se de formas diferentes.


Compartilhe