Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.37

09/2006

Uma guerra que eu não tenho medo de vencer

Estou a caminho de uma grande “guerra”.
Estou muito assustada. Afinal, onde estão os inimigos que eu tenho que combater?
Tudo está completamente sombrio. Penso em pedir socorro, mas será que serei socorrida? Ou será que
me transformarei, aos olhos das outras pessoas em uma fotocópia do vírus?
Mas há uma esperança: o meu remédio. Eu não lembrava dele…
O medo, meu principal adversário, aumenta quando a própria medicina me diz que ainda há muito a ser descoberto até a cura da aids.
Eu sei que poderei vencer esta batalha. Mas reconheço que às vezes tenho vontade de fugir do meu próprio corpo e desaparecer.
A minha família precisa saber. Sei que devo contar, mas como começar a falar? Sempre penso que sou diferente de todos e tenho medo que a minha família também comece a pensar assim.
Então, minha alma se cala no silencio e na dor. Mas sorrio quando me deparo com os meus remédios, que já não esqueço mais.
Começo a melhorar de saúde. Alimento-me melhor, durmo melhor. Ouço música e faço até planos para o futuro.
Continuo seguindo a minha batalha: vencer o medo e o preconceito.
Sinto-me mais forte, apesar de atravessar, em um navio, por mares nada seguros.
Continuo a melhorar, principalmente porque percebo que há outras pessoas neste navio, ao meu lado. Não me faltam sorrisos e mãos amigas.
Começo, então, a me sentir ainda mais forte. Levanto a minha cabeça e, firme, continuo a minha batalha. Afinal, sei que não estou mais sozinha.
Um grande abraço a todos os leitores da Saber Viver

Shirlei – Interior do Estado de São Paulo

(A Saber Viver não vai identificar a cidade para evitar constrangimento à leitora)

Compartilhe