Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Solução » Solução n.10

12/2005

Uso racional de medicamentos

Parceria entre Anvisa, Fenafar e Fenam promove
discussão sobre o assunto

Debater estratégias que promovam o uso racional de medicamentos é o objetivo do ciclo de seminários idealizado por uma parceria entre a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e a Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar). O uso racional de medicamentos – que ocorre quando o paciente recebe remédios apropriados às suas necessidades clínicas, em doses adequadas, pelo tempo necessário e a um custo razoável – é preocupação da Organização Mundial de Saúde (OMS) desde a sua criação, em 1948. No Brasil, a discussão está apenas começando.

A identificação de medicamentos como simples produtos de consumo, submetidos à lógica de mercado é um dos principais pontos a serem debatidos durante os seminários. Segundo Maria Eugênia Cury, presidente da Fenafar, a finalidade da parceria é viabilizar um espaço de debate entre lideranças sindicais de farmacêuticos e médicos e equipe de profissionais da Anvisa sobre as influências econômicas, sociais e culturais que a propaganda exerce sobre o uso racional de medicamentos.

A contribuição do farmacêutico é fundamental 
Outro assunto de destaque no ciclo de seminários é a importância da vigilância contínua da segurança e eficácia dos medicamentos e da farmacovigilância (coleta de informações pós-comercialização). “A primeira é necessária para garantir que os medicamentos mantenham a mesma qualidade da época em que foram registrados. A segunda, relativamente nova no Brasil como prática profissional e política pública, possibilita a identificação de reações pouco conhecidas ou desconhecidas, o que pode aperfeiçoar a escolha de medicamentos, a partir de melhores relações risco/benefício”, explica Maria Eugênia. Para ela, a contribuição do farmacêutico é fundamental para o uso racional de medicamentos. “Em primeiro lugar é preciso que as secretarias de saúde contratem farmacêuticos para atuarem na dispensação de medicamentos”, diz. “A correta avaliação da prescrição – que consiste basicamente em levantar a adequação de doses, tempo de tratamento e possíveis interações – e a orientação ao usuário integram ações importantes que o farmacêutico desenvolve nessa área”, completa.

Seminários serão realizados em 2006 
O primeiro seminário foi realizado em dezembro de 2005, em Salvador. Mais três edições regionais e uma em âmbito nacional estão programadas, ainda que sem data marcada, para 2006. A meta é estabelecer estratégias de educação, conscientização e fiscalização para o uso racional de medicamentos.

SAIBA +
www.fenafar.org.br

Compartilhe