Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.36

06/2006

Videx EC + lamivudina + efavirenz

Esquema de anti-retrovirais cada vez mais usado por quem não tolera a zidovudina

A combinação apresentada nesta edição do Passo a Passo inclui uma nova formulação da didanosida, já disponível na rede pública de saúde, que é bem mais simples de tomar do que as anteriores. A medicação se chama Videx EC e tem sido usada com muita eficácia como opção aos esquemas terapêuticos que utilizam a zidovudina ou a estavudina.
Outro fator que aumenta o sucesso desta combinação é que todos os medicamentos podem ser tomados apenas uma vez ao dia.

Por que substituir a zidovudina
A zidovudina, combinada com a lamivudina, é eficiente, possui um preço acessível e, em geral, é bem tolerada por seus usuários.
Por isso é considerada uma droga de primeira escolha para o tratamento contra a aids. Acontece que, em algumas pessoas, a zidovudina pode causar uma forte anemia, tornando necessária a troca da medicação.

Estavudina tem sido evitada
Até pouco tempo atrás, o medicamento indicado para substituir a zidovudina era a estavudina. Mas esta droga está sendo evitada cada vez mais pelos médicos por causa de seus efeitos colaterais. A estavudina é o antiretroviral que mais causa a lipoatrofia – perda de gordura na face, braços e pernas. “Apesar de não acometer todas as pessoas que fazem uso desta medicação, pois a lipoatrofria também está ligada a características genéticas, muitos pacientes sofrem com este paraefeito e com a neuropatia periférica, outro efeito adverso da estavudina”, observa o infectologista Estevão Portela.
Neuropatia periférica é uma inflamação nos nervos que provoca dores no corpo e dormência nos pés e mãos.

Vantagens do Videx EC
O interesse pela combinação apresentada neste número se deve em grande parte à recente disponibilização do Videx EC na rede pública de saúde. Com esta nova formulação da didanosina, pode-se tomar apenas uma cápsula do remédio uma vez ao dia, sem necessidade de dissolver em água ou mastigar. A recomendação sobre o jejum, porém, se mantém: o Videx EC deve ser tomado com um intervalo de pelo menos 1 hora antes ou depois da alimentação. De acordo com Portela, apesar de poder desencadear os mesmos efeitos colaterais da estavudina, estes são menos freqüentes com o uso do Videx EC.
O médico chama atenção para variações na dose diária da medicação, de acordo com o peso do paciente: pessoas acima de 60 kg devem tomar a cápsula de 400 mg. Abaixo de 60kg, a dose deve ser de 250 mg.

Efeitos colaterais do efavirenz
O efavirenz costuma provocar alguns desconfortos, como tonteira, pesadelo, insônia, excesso de sonolência, etc. Segundo Estevão Portela, a maioria das pessoas diz sentir esses sintomas por, em média, um mês depois de iniciada a medicação. “Alguns pacientes relatam sentir tonteira sempre que tomam o medicamento, mas são raros os que realmente não toleram os efeitos colaterais do efavirenz”, diz ele.
Para evitar que estes paraefeitos interfiram no cotidiano do paciente, Portela recomenda que o efavirenz seja tomado antes de dormir e longe das refeições (com a distância de pelo menos 1h30min). Isso faz com que a absorção da medicação seja um pouco menos intensa.
Há ainda uma relação entre efavirenz e depressão não muito estudada. De acordo com Portela, essa relação deve ser acompanhada de perto pelo médico assistente, pois os sentimentos depressivos podem ter inúmeras causas. “O importante é que médico e paciente possam conversar abertamente sobre esses problemas”, diz, acrescentando que uma assistência psicoterápica também pode ajudar. SV

 

 

11h da noite
Alex toma os seus três medicamentos no mesmo horário todos os dias, antes de dormir, e pelo menos 1h30min depois da última refeição. Tudo isso para evitar que os efeitos colaterais do efavirenz interfiram no seu dia-a-dia e também por causa do jejum exigido pelo Videx EC

Compartilhe