Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.31

03/2005

zidovudina + lamivudina + tenofovir + atazanavir + ritonavir

Esquemas que incluem novos anti-retrovirais oferecem mais opções de tratamento

No primeiro Passo a Passo deste ano, apresentamos um esquema terapêutico com dois anti-retrovirais recentemente disponibilizados na rede de saúde pública: o tenofovir e atazanavir. Esses dois medicamentos abriram um novo leque de opções para o tratamento contra a aids e têm se revelado eficientes em pessoas que adquiriram resistência a outras combinações. “O tenofovir tem um importante papel nos casos em que é preciso fazer resgate terapêutico, pois ele mantém sua ação contra o HIV ainda que o vírus já esteja resistente a medicamentos de classe similar à sua (os inibidores da transcriptase reversa). Também o atazanavir vem se mostrando muito eficaz em situações de resgate, quando associado ao ritonavir”, informa o infectologista Estevão Portela.

Benefícios para o tratamento

Outros benefícios devem ser levados em conta, segundo o médico: os dois medicamentos só precisam ser ingeridos uma vez ao dia, o que facilita o tratamento, e causam menos alterações nas taxas de colesterol e triglicerídeos. Há ainda mais uma vantagem apontada por Portela: “Entre os inibidores de protease, o atazanavir é o que necessita ser associado à menor dose de ritonavir, quando em situação de resgate. Isso é importante porque o ritonavir costuma causar dormência ao redor da boca e diarréia. Mas com essa pequena dose diária, esses efeitos são bem menores e podem nem aparecer”.

Teste de genotipagem auxilia o médico

Apesar de todas essas qualidades, a combinação apresentada nesse número pode não ser bem sucedida em pessoas que já falharam a outros esquemas com inibidores de protease. Para que a possibilidade de sucesso da combinação seja bem avaliada, antes de iniciá-la é recomendável que seja feito um teste de genotipagem. Os testes de genotipagem verificam a resistência do HIV aos anti-retrovirais e auxiliam o médico na hora de escolher que medicamentos indicar.

Efeitos colaterais

O efeito colateral mais relacionado ao atazanavir é a icterícia, que, embora não cause dano à saúde, deixa os olhos amarelados. Já o problema que mais preocupa os que fazem uso do tenofovir é a toxidade renal. Por isso, é aconselhável monitorar os níveis de uréia e creatina com exames que fazem parte da rotina do tratamento. Esse acompanhamento é ainda mais importante para aqueles que têm outras doenças ou tomam remédios que possam afetar o rim (exemplo: diabetes e pressão alta e alguns anti-hipertensivos).

7h da MANHÃ

Eliane acorda cedo para ter tempo de se exercitar antes de ir para o trabalho. Logo após o café da manhã, ela toma seus medicamentos da manhã:

1 comprimido de zidovudina + lamivudina

1 comprimido de tenofovir

2 cápsulas de atazanavir

1 cápsula de ritonavir

7h da NOITE

Eliane estuda à noite. Antes de entrar na sala de aula, ela vai até o bebedor para tomar o único remédio de que precisa de noite:

1 comprimido de zidovudina + lamivudina

zidovudina + lamivudiva: 1 comprimido duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas)

 tenofovir: 1 comprimido uma vez ao dia

atazanavir: 2 cápsulas uma vez ao dia

ritonavir: 1 cápsula uma vez ao dia

OBS: o atazanavir e o ritonavir devem ser tomados ao mesmo tempo, junto com alimentos.

Compartilhe