Publicações

  • Fonte normal
  • Aumentar fonte
  • Adicionar a favoritos
  • Imprimir
  • Envie para um amigo:





Saber Viver » Saber Viver n.34

12/2005

zidovudina/lamivudina + lopinavir/r + tenofovir

Muito usado para resgate terapêutico, o esquema deste número possui algumas vantagens

Os benefícios que o uso do tenofovir oferece às pessoas que já tiveram falhas terapêuticas com anti-retrovirais anteriores têm levado cada vez mais médicos a prescreverem a seus pacientes esquemas que incluam este medicamento. “O tenofovir mantém sua ação contra o HIV mesmo quando o vírus já acumulou resistência a medicamentos de classe similar à sua, a de inibidores da transcriptase reversa”, diz o infectologista Estevão Portela.
Por essa razão e pelo alto preço deste anti-retroviral, o Ministério da Saúde tem recomendado que a prescrição do tenofovir seja reservada para situações de resgate terapêutico.
Outra vantagem do tenofovir em relação a outros anti-retrovirais é gerar menos efeitos colaterais. Segundo Portela, há indícios de que o tenofovir acumula menor toxicidade mitocondrial, provocando menos alterações metabólicas (colesterol, triglicerídeos, glicose) e lipodistrofia (mudanças na distribuição da gordura corporal). No entanto, o medicamento pode interferir na função renal, principalmente por estar associado a um inibidor da protease (lopinavir/ r), o que aumenta a chance de surgir toxicidade renal. “É muito importante monitorar os níveis de uréia e creatinina com exames de sangue de rotina”, alerta o infectologista.

lopinavir/r pode ter formulação mais atraente
Por ter se mostrado bastante eficaz ao longo dos anos, o lopinavir/r (Kaletra é seu nome de marca) é o inibidor da protease mais usado por pacientes cujo tratamento já falhou com o uso de outros anti-retrovirais desta classe. Seus principais efeitos colaterais são diarréia, náusea e vômito (principalmente nos primeiros meses de uso), lipodistrofia e alterações nos níveis de colesterol e triglicerídeos. Esses problemas podem ser atenuados com exercícios físicos e alimentação equilibrada.
Estevão Portela lembra que estão em estudo novas formulações do lopinavir/r que permitam uma carga menor de cápsulas diárias, o que pode facilitar a adesão ao tratamento e minorar os efeitos colaterais. Além disso, com a nova formulação, não haverá necessidade de guardar o medicamento em geladeira. Vale lembrar que, na forma em que o lopinavir/r é hoje apresentado, é preciso armazená-lo na geladeira ou em temperatura ambiente de até 25°C por, no máximo, um mês.
A zidovudina costuma causar anemia. Por isso é recomendada a realização de exames de sangue (hemograma) periódicos para controle. SV

 

zidovudina/lamivudina
1 comprimido duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas)

lopinavir/r
3 cápsulas duas vezes ao dia (de 12 em 12 horas)

tenofovir
1 comprimido uma vez ao dia

 

 

7h da manhã
Antes de sair para sua caminhada diária, Mônica toma seus medicamentos junto com o café da manhã. Os três remédios podem ser tomados juntos. 1 comprimido de zidovudina/lamivudina 3 cápsulas de lopinavir/r (com alimentos) 1 comprimido de tenofovir

 

 

 

7h da noite
No caminho para a faculdade, Mônica faz um lanche e toma 1 comprimido de zidovudina/lamivudina e as 3 cápsulas de lopinavir/r (com alimentos, para diminuir a chance de efeitos colaterais e melhorar a absorção)

 

  • Estas são apenas sugestões de como inserir a medicação no dia a dia. Você, junto com o profissional de saúde que o atende, é a pessoa mais indicada para adequar seu tratamento à sua rotina de vida.
Compartilhe